No mês de janeiro, a FCC projetava a inauguração na segunda quinzena de maio, “desde que sem contratempos nos procedimentos de licitação da compra dos equipamentos das salas”, como explicava então Beto Lanza, diretor de Ação Cultural da FCC.

Segundo Lanza, porém, a entrega dos projetores das duas salas, que são importados da Europa pela empresa catarinense vencedora da licitação pública, está prevista para meados do próximo mês de julho.“Em meados de julho todos os equipamentos estarão instalados, tudo dentro do prazo previsto no processo de licitação”, explica.

Porém com a instalação dos equipamentos de projeção em julho, a FCC vai “treinar o pessoal e fazer eventos-teste durante o mês de agosto. Numa previsão bem próxima da realidade, a inauguração para a população será em setembro”, presume.

O projeto dos arquitetos Mauro Magnabosco e Dóris Teixeira, do Instituto de Pesquisa Planejamento Urbano de Curitiba (IPPUC), ainda prevê áreas de convivência, coworking para produtores de cinema, um café temático e espaço para exposições.

As obras de reforma dos 2,6 mil metros quadrados do prédio histórico – construído na década de 1930 – custaram R$ 9,8 milhões. Deste montante R$ 6,3 mi já foram empenhados pelo munícipio para a conclusão das obras de reforma do prédio e mais R$ 2,5 mi estão sendo usados na licitação para compra de equipamentos.