Na próxima sexta-feira, 1º de junho, às 19h30, o ciclo Cinema & Literatura, que acontece no Museu da Imagem e do Som (MIS), de Campinas, com curadoria do crítico de cinema e jornalista Ricardo Pereira, exibe o filme “Tenda dos Milagres” (1977), de Nelson Pereira dos Santos, baseado no romance homônimo de Jorge Amado.

Agraciado no Festival de Brasília com os Candangos de Melhor Filme e Melhor Direção, Tenda dos milagres (1977) é o décimo segundo longa de Nelson Pereira dos Santos, sua primeira incursão pelo universo de Jorge Amado e um dos mais importantes filmes brasileiros. O negro Pedro Arcanjo (Jards Macalé e Juarez Paraíso), bedel da Faculdade de Medicina da Bahia, é o intelectual autodidata, cioso de suas origens e posição social, que enfrenta o beletrismo vazio da elite supostamente branca, de pretensões europeizantes, defensora de um ideal de ciência desprovido de bases empíricas na afirmação da inferioridade dos afrodescendentes e da miscigenação. (Brasil, 1977. Colorido, 132 min).

Com esse livro, Jorge Amado, o maior romancista brasileiro do século XX, escreveu sua sátira política mais ambiciosa e também criou o mais exuberante discurso sobre a complexidade da cultura afro-brasileira. Ambientado nos labirintos coloniais do Pelourinho, no bairro negro no coração de Salvador, Bahia, o romance discute o legado de Pedro Arcanjo, o personagem mais sedutor e ambíguo criado por Jorge Amado. Ele é um mestiço – um autodidata, autor de livros de receitas, poeta, etnógrafo amador, rei do carnaval, ativista dos direitos dos negros, pregador e amante das mulheres. Romance publicado em 1969.

O Ciclo “Cinema & Literatura” acontece desde agosto de 2011, exibindo, como o próprio nome sugere, adaptações cinematográficas de obras literárias, mas não quaisquer obras. O primeiro critério de seleção dos filmes que compõem o ciclo é justamente a qualidade das obras adaptadas, com isto, nestes quase sete anos de ciclo, já foi possível discutir grandes clássicos da Literatura como Ulysses (James Joyce), “O Processo” (Franz Kafka), “A Montanha Mágica” (Thomas Mann), “Em Busca do Tempo Perdido” (Marcel Proust), “O Processo” (Franz Kafka), “Memórias Póstumas de Brás Cubas” (Machado de Assis), “Vidas Secas” (Graciliano Ramos), “Macunaíma” (Mário de Andrade), “Lavoura Arcaica” (Raduan Nassar), “O Cortiço” (Aluisio Azevedo), dentre outros.