MOSCOU – É improvável que você não saiba, a essa altura, que a Rússia venceu a Arábia Saudita em uma inesperada goleada por 5 a 0 no estádio de Lujnic, na abertura da Copa do Mundo. Ainda há, porém o que falar. De figurinhas à pobre história de vitórias da Rússia, passando por um ineditismo no gol de Golovin e uma estatística que pode colocar os russos na final.

1- Dos cinco gols russos no jogo de abertura, só o último, de Golovin, nos acréscimos, foi feito por um jogador que está no álbum de figurinha da Copa. Gazinsky, Cheryshev e Dzyuba acabaram ignorados pela publicação, e não têm figurinhas para chamarem de sua. Ao menos, têm gols em Copas.

3 – O primeiro gol abriu o caminho para a goleada russa, mas poderia ter sido uma má sorte, para quem acredita em superstição. Em 2010, a África do Sul abriu o placar com Tshabalala, mas tomou o empate do México. Em 2014, o Brasil tomou um gol contra, marcado por Marcelo, mas virou o jogo para 3 a 1. A última vez havia sido em 2006, na Alemanha, quando o time da casa abriu o placar e venceu a Costa Rica por 4 a 2. Aliás, o primeiro gol da Rússia saiu aos 12 minutos. É a terceira vez nas últimas quatro Copas que um gol sai com menos de 12 minutos de bola rolando no torneio. Só em 2010 o placar ficou em branco por mais tempo.

4 – Foi só a terceira vitória da Rússia como Rússia, pós União Soviética, na história das Copas. A última havia sido há 12 anos, na Coréia e Japão, contra a Tunísia, 2 a 0. Antes, a goleada por 6 a 1 contra o Camarões em 1994.

5 – Há 40 anos um time anfitrião não vencia um jogo em seus domínios por cinco ou mais gols de diferença. O último foi a Argentina, em 1978, no polêmico jogo contra o Peru. Aliás, desde 1958, sempre um time anfitrião chega a Copa a cada 20 anos. Suécia em 1958, Argentina em 1978, França em 1998. Será que os russos têm chances?