Pelo menos 2.140 propriedades, localizadas em Divinópolis, Carmo do Cajuru, São Gonçalo do Pará e São Sebastião do Oeste, estão cadastradas para o período de vacinação do gado contra a febre aftosa.

A primeira etapa da campanha começou nesta quinta-feira (3). Em todo o estado, devem ser imunizados pelo aproximadamente 23 milhões de animais em um prazo de 30 dias.

O Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA) informou que ao menos 30 propriedades dos municípios com cadastro terão acompanhamento de técnicos e veterinários do órgão.

"É muito importante a vacinação por causa da febre aftosa no país, pra não ter risco da doença atacar de novo e dar muito prejuízo", contou o produtor rural.

Segundo o médico veterinário do IMA, André de Paula Rodrigues, o produtor tem que ficar atento à vacinação e à declaração, que tem que ser feita dentro do prazo, que expira no dia 10 de junho.

"A comprovação, hoje, é muito facilitada. Ela pode ser feita através da internet e quem tem menos de 150 animais pode fazer a declaração no IMA", contou.

Se o produtor perder o prazo, ou não declarar a imunização, ele pagará uma multa de R$ 120 por animal. No ano passado, um único produtor foi multado em R$ 21 mil, segundo o IMA.

"Na campanha de novembro, cerca de 100 produtores [da região] tiveram problema com a declaração. Ou deixaram de vacinar, ou deixaram de declarar ou tiveram diferenças significativas no histórico de animais sem justificativa pertinente", afirmou o veterinário.

Minas Gerais tem o segundo maior rebanho do país, com 23 milhões e 600 mil animais. Em todo o estado, são 389 mil propriedades rurais cadastradas. Dessas, 206 mil são de pequenos produtores.