Ao contrário das soluções existentes de login único global como as do Google ou Facebook, o ID4me não rastreia e analisa os hábitos de navegação na Internet de seus usuários. O ID4me garantirá que os hábitos de navegação permaneçam em segredo.

Além disso, ID4me não pertence a uma empresa. É um padrão aberto que é mantido por uma organização sem fins lucrativos. Quem quiser pode participar. Desta forma, os usuários podem escolher livremente entre diferentes provedores ID4me e também podem mudar o provedor a qualquer momento.

Não parece, mas hoje o Google está completando 20 anos de existência. Isso faz alguns de nós pensar em quantos anos nós mesmos já temos, já que eu vi esse motor de busca que hoje é uma gigante empresa de tecnologia nascer. Vamos saber um pouco mais sobre a nossa preferida na hora de saber de algo.

01. Minimalismo por falta de conhecimento – Você admira a página clean e simples do Google? Acha que é proposital para manter uma boa leitura, um bom uso? Bem, hoje esse até pode ser o motivo, mas no começo Larry Page e Sergey Brin, os fundadores do Google, simplesmente sabiam pouco de HTML e preferiram não se arriscar demais.

02. O Google começou em uma garagem – Assim como muitas outras empresas e startups da região do Vale do Silício, o Google deu início à empresa em uma garagem, com computadores, cabos e outras tranqueiras ao redor (até mesmo um teclado para relaxar). Você pode conhecer a casa hoje, pelo Google Street View, uma comemoração para esse aniversário. Veja aqui.

03. O primeiro servidor do Google tinha uma case de Lego – Começando em uma garagem, é possível dizer que não havia verba para muitas coisas no Google. Por isso, os primeiros HDs de armazenamento do serviço foram acondicionados em uma torre feita com Lego.

04. O Google já foi lerdinho – Hoje, ao fazer uma busca, os motores e servidores do Google, a busca passa por milhões de sites em um único segundo. Nas primeiras versões do serviço, conseguia ler apenas entre 30 a 50 páginas nesse mesmo tempo.

05. O nome do Google seria Backrub – Os fundadores Sergey Brin e Larry Page, enquanto pensavam em um nome para sua ferramenta, chegaram a pensar em Backrub, uma referência aos backlinks, links que levam uma página a outra na internet, o alvo do site de buscas.

06. A palavra Google tem explicação – Como Backrub não era legal, os criadores pensaram em “googol”, palavra dada a um enorme número composto de um número 1 seguido de cem zeros. Porém, na hora de registrar o nome, um estagiário teria errado a palavra e escrito “Google”. Brin e Page gostaram, e o nome ficou.

07. Mas não tem problema errar o nome – De começo, pode ser difícil lembrar quantas letras O tem o nome, ou na hora de digitar pode ser fácil errar. Pensando nisso, o Google comprou centenas de endereços com digitação errada. Pode digitar gooogle.com e gogle.com sem medo.

08. Don’t be evil é o slogan não oficial – Muita gente pode não acreditar nos dias de hoje, mas em uma data entre 1999 a 2001 um funcionário do Google instituiu um slogan não oficial que passou a ser seguido por todos. Don’t be evil (não seja mau) esteve até em uma carta dos fundadores para os investidores em 2004.

09. Doodles comemorativos – Os Doodles são uma das marcas do Google. Em datas comemorativas do mundo todo, eles trocam o logotipo da empresa por uma animação, ilustração ou outra gracinha. O primeiro surgiu quando os fundadores saíram de férias para o festival Burning Man, e, agosto deu 1998, e deixaram avisado na home do serviço de buscas para que os usuários soubessem que não haveria suporte nesses dias.

10. YouTube não é criação do Google – O YouTube está tão relacionado ao Google hoje em dia que é difícil imaginar que ele não começou dentro da empresa de Mountain View. Em um almoço em um restaurante famoso e popular, os fundadores fecharam a compra do serviço de vídeo por US$ 1.65 bilhões milhões, em 2005.

11. Street View dá trabalho – Como se já não fosse complicado enviar carros com uma câmera e sensores para a maior parte do mundo (e refazer isso frequentemente), o Google já usou bicicletas e pequenos carrinhos para entrar em estádios e museus, e até um camelo para registrar os desertos.

12. Piadas de primeiro de Abril bem elaboradas – Se você ainda não conhece o humor do Google com o primeiro de Abril, o dia da mentira, precisa gastar um tempo com isso. Anualmente, a empresa divulga serviços falsos e estranhos, entre outros, apenas para divertir seus usuários.

13. Google aluga bodes – Uma das bizarrices mais estranhas da empresa tem um sentido bem lógico. Comprometida com o meio ambiente, a Big G costuma alugar bodes para que esses comam o gramado da sede californiana da empresa, para que possa podar tudo sem usar máquinas.

14. Google é um verbo – O Google não gosta disso e já pediu que não seja utilizado assim, mas em 2006 os dicionários Merriam-Webster e Oxford English incluíram a palavra Google entre os seus termos, classificando-o inclusive como verbo. Por aqui, ainda não temos “googlar” oficialmente.

17. Jogos escondidos – Está entediado? O Chrome e o Google oferecem alguns jogos simples para passar o tempo. Em Google Images, digite “atari breakout”, sem aspas. No Chrome, um Tiranossauro simpático aparece quando você não tem conexão. Aperte a barra de espaço e o jogo começa.

18. A primeira compra do Google – desde 2010, o Google manter o ritmo de ao menos uma compra de companhia por semana. Mas no início, quando a verba era baixa, não era bem assim. A primeira compra do Google foi uma empresa chamada Deja News, sistema de busca de fóruns que acabou virando o Google Grupos.

19. Haja poder de fogo – Hoje, uma busca no Google precisa de mais poder computacional do que foi preciso para enviar Apollo 11 à Lua. Os supercomputadores e os data centers do Google precisam de tubos de água passando entre as máquinas para resfriá-las. São ao todo 12 centros desse espalhados pelo mundo.

20. Até a Amazon sabe da importância do Google – Jeff Bezos, fundador da gigante Amazon e o homem mais rico do mundo, investiu US$ 250 mil no Google em 1998. Obviamente, esse dinheiro rendeu, e hoje isso vale aproximadamente US$ 2,2 bilhões. Ou seja, de certa forma o Google também ajuda a Amazon.