Algumas bebidas alcoólicas podem ser tão calóricas como um cheeseburger (311 calorias) ou um pacote de batatas fritas de tamanho médio da McDonald’s (330). O vinho, que é uma das mais consumidas diariamente, não tem um valor energético tão elevado. Ainda assim, qual será a pior escolha para quem quer emagrecer: tinto, branco, verde ou rosé?

Vamos por partes. O vinho tinto, o mais recomendado socialmente por causa dos seus compostos, é obtido através de uvas tintas ou das tintureiras; e o branco é conseguido de castas não tintureiras, podendo ser obtido de uvas brancas ou tintas. 

Já o vinho rosé vem da mistura dos dois tipos anteriores de vinho — o branco e o tinto — ou pela diminuição do tempo de contacto entre o mosto e as castas. Falta falar, ainda, do tipo verde, que é mais ácido e pode variar entre tinto ou branco. 

“Uma vez que um grama de álcool equivale a sete calorias, numa dieta de emagrecimento é necessário que o seu consumo seja reduzido ou até mesmo evitado”, diz a nutricionista Mafalda Rodrigues de Almeida, autora do blogue NiT “Loveat”.

Contudo, sabe-se que, culturalmente, é uma bebida muito apreciada. Além disso, a sua ingestão moderada é parte integrante da dieta mediterrânica — um padrão alimentar que assenta nos princípios de um estilo de vida saudável, em que se privilegia a atividade física diária e a utilização de alimentos tradicionais e da época, confecionados através de práticas culinárias simples.

Segundo a especialista, nesta dieta — uma das mais populares —, especificamente, há uma quantidade máxima de consumo para adultos (exceto grávidas, lactantes ou pessoas com uma situação clínica em que a ingestão de álcool não é recomendada). No caso dos homens, são dois copos de 150 mililitros às refeições. Para as mulheres, na mesma situação, é apenas um copo com a mesma quantidade.

A água deve ser a bebida de eleição para toda a gente, esteja ou não numa dieta para perder de peso. Porém, para quem não dispensa acompanhar a refeição principal com o tal copo de vinho, normalmente tinto, há uma coisa que deve saber. 

Para que o impacto na perda de peso não seja tão mau, deve privilegiar o tipo de vinho menos calórico: “Os vinhos verdes são os que fornecem menos calorias, entre 85,5 a 88,5 calorias por copo; seguidos do vinho tinto maduro, com 99 calorias; do vinho branco maduro e do rosé, que fornecem 108 calorias também por 150 mililitros.”

Resumindo, o vinho verde será a opção com menor impacto para o processo de emagrecimento. Porém, a nutricionista Mafalda Rodrigues de Almeida relembra que “há evidência que demonstra potenciais benefícios associados aos compostos fenólicos presentes no vinho tinto com ação antioxidante, sendo este o recomendado”.

Aliás, segundo dois estudos divulgados em outubro do ano passado por cientistas da Universidade Estadual de Washington e de Harvard Medical School, nos Estados Unidos, no vinho tinto existe um químico chamado resveratrol — um polifenol que ajuda a transformar a teimosa gordura branca em bege, que é mais fácil de ser eliminada pelo organismo.

De acordo com o professor e cientista da Universidade Estadual de Washington, Min Du, fazer este tipo de conversão da gordura ajuda a queimar os lípidos, a manter o corpo em equilíbrio e a prevenir a obesidade e a disfunção metabólica.

O resveratrol está presente principalmente na casca e na semente da uva roxa e age como antioxidante. Ele também é encontrado na maioria das frutas escuras como amoras, morangos e mirtilos.

Uma outra pesquisa realizada em Harvard, também nos Estados Unidos, analisou 20 mil mulheres ao longo de 13 anos e encontrou uma ligação entre esta bebida e a perda de peso. Aquelas que bebiam dois copos de vinho diariamente tinham 70 por cento menos probabilidade de estar acima do peso.

A nutricionista Maria Gama, autora do blogue NiT “Põe-te na Linha”, também já nos tinha partilhado quais são as dez bebidas mais calóricas. Spoiler: o licor de anis e o gin estão na lista. Carregue na galeria para descobrir todos os nomes.

Facebook Comments