No final do dérbi, falando na SIC Notícias, Rui Santos traçava o paralelismo entre a vitória por 4-2 do Benfica em Alvalade com a goleada de 1994 por 6-3 no antigo estádio com o mesmo nome, acrescentando que “João Félix foi o João Pinto daquela altura”. A comparação, arrojada, terá sempre as devidas diferenças (afinal, este jogo não valia propriamente um título como aquele que foi realizados na década de 90) mas existe uma ligação entre os dois jogos separados por quase 25 anos: ambos fazem parte do muito reduzido número de encontros a contar para o Campeonato em que as águias marcaram quatro ou mais golos em casa do rival – mais concretamente seis, entre equipas de Hertzka, Janos Biri, Fernando Cabrita, Toni, Souness e agora Bruno Lage.

Houve mais números a marcar a partida. Positivos para os encarnados, que têm em Lage um técnico 100% vitorioso na Primeira Liga (em cinco encontros) e em João Félix o primeiro português nos últimos 40 anos a marcar nos dois primeiros dérbis frente aos leões, sendo ainda o segundo mais novo de sempre a conseguir fazê-lo; negativos para o conjunto verde e branco, que tem registos apenas equiparáveis com a sua pior época de sempre, em 2012/13, a nível de derrotas (cinco) e golos sofridos (24) nas primeiras 20 jornadas do Campeonato, e que voltou a perder em Alvalade 29 jogos depois. No entanto, e também à boleia do Playmakerstats, há um dado mais simbólico que fica (ou ficará) deste dérbi – o Benfica igualou o número de triunfos do Sporting no reduto leonino, 32, algo que não acontece em mais nenhum histórico que envolva também o FC Porto.

⚠️Pela primeira vez em largos anos, um rival iguala o número de vitórias em casa do adversário para a ????????Liga:????SCP 32 – 32 SLB????????SLB 46 – 15 SCP????????SLB 43 – 16 FCP????????FCP 50 – 13 SLB????????FCP 46 – 14 SCP????????SCP 45 – 19 FCP???? pic.twitter.com/axwCLTeolx

No entanto, houve mais pormenores que marcaram tudo o que se passou à volta deste triunfo do Benfica por 4-2 em Alvalade, dentro e fora do relvado, a começar com um momento que se tornou viral nas redes sociais: enquanto esperavam para sair do estádio, como é normal com os adeptos visitantes, alguns benfiquistas repararam que Dolores Aveiro, mãe de Cristiano Ronaldo (que também esteve no encontro), ainda se encontrava no camarote e dedicaram-lhe a música “A Dolores é do Benfica”. A rir, a madeirense ouviu a “provocação” com fair play mas lá acabou por fazer o sinal de que o seu clube é o Sporting – e houve alguns adeptos verde e brancos que ainda comentaram nas redes sociais que o clube precisava de alguém como ela…

Menos “desportivismo” tiveram os adeptos verde e brancos, antes e na parte final do encontro por motivos distintos: enquanto estavam a ser anunciadas as equipas, ouviram-se alguns assobios quando o nome de Tiago Ilori foi anunciado pelo speaker do clube como estando no banco de suplentes, sinal de que ainda há quem não tenha esquecido a forma como central saiu dos leões em 2013 com a frase de que não se importaria de ficar os últimos dois anos de contrato sem jogar só para deixar Alvalade; depois do golo de Pizzi, que fez então o 4-1 a mais de 15 minutos do último apito de Artur Soares Dias, houve alguns lenços brancos mostrados a Keizer, uma debandada geral nas bancadas e vaias sempre que algum jogador tocava na bola.

Os nervos estiveram sempre à flor da pele entre os jogadores verde e brancos e a Raphinha foi exemplo paradigmático disso mesmo: quando foi substituído nos minutos finais do encontro por Jovane Cabral, o extremo brasileiro que chegou esta época ao clube vindo do V. Guimarães começou por atirar uma garrafa ao chão em sinal de frustração, não conseguindo depois aguentar as lágrimas após uma exibição onde pouco correu bem mas ainda acertou no poste de livre direto.

No final da noite, alguns jogadores do Benfica partilharam através das suas redes sociais os cartazes que estavam à sua espera quando chegaram a Alvalade, com mensagens de apoio e fotografias de familiares e pessoas mais próximas como se conseguiu ver nos casos de João Félix, Grimaldo, Salvio, Pizzi, Seferovic, Gedson Fernandes, Rafa, André Almeida, Cervi ou Vlachodimos. Tudo no balneário onde Luís Filipe Vieira, que chegou com a equipa ao recinto e foi o primeiro a sair do autocarro que transportou os convocados para o dérbi, terá visto o triunfo dos encarnados frente ao histórico rival.

…é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.