Categorias
Curiosidades

Abraço prematuro salva a vida de irmão gêmeo

Quando entrou em trabalho de parto quase quatro meses antes do previsto, a jovem britânica Hannah Zimunya, 28 anos, recebeu o conselho dos médicos para se preparar para o pior. Os gêmeos Dylan e Deiniol pesavam respectivamente 900 e 700 gramas quando nasceram no Hospital Maelor, em Wrexham, no País de Gales.Os pulmões não estavam completamente desenvolvidos e eles foram levados às pressas para a unidade neonatal especializada no Royal Bolton Hospital, há mais de 150 quilômetros de distância do hospital onde nasceram.

Alguns dias depois, o bebê Dylan melhorou e foi transferido novamente para o hospital Maelor. No entanto, Deiniol continuou internado, em Bolton, em estado grave, dependente 100% de oxigênio para sobreviver e sem mostrar sinais de melhora.Quando eles completaram 14 semanas, a equipe médica ficou preocupada com a condição de Deiniol que estava se deteriorando rapidamente e decidiram trazer o irmão Dylan de volta ao hospital para se despedir.Os gêmeos passaram apenas cinco minutos juntos na incubadora se abraçando, mas horas depois a condição de Deiniol se estabilizou e seu suporte de oxigênio foi reduzido para 50%.No dia seguinte, seus níveis de oxigênio haviam voltado a 100% e ele estava mostrando sinais de deterioração. Novamente, as enfermeiras sugeriram trazer Dylan de volta para outro abraço.”Em apenas dois dias, Deiniol foi retirado completamente do ventilador. Realmente foi um milagre. Eles nos mostraram que nunca deveriam ter sido separados”, disse Hannah ao jornal britânico Metro. 

Dylan permaneceu em Bolton com Deiniol por mais dois meses antes de receber alta em janeiro deste ano. Deiniol teve alta em abril. Agora, os dois meninos estão de volta em casa e curtindo a vida em família com seus irmãos mais velhos, TJ, 8 anos, Lily, 6, e Thandi, 3, que tornaram a festa do primeiro aniversário inesquecível.Deiniol ainda precisa de pequenas quantidades. Isso deve acontecer até que seus pulmões se tornem fortes o suficiente para respirar independentemente.

Comentários