Lembra com carinho, por exemplo, de quando fãs já estavam acampados na fila 48 horas antes de um show seu em Belo Horizonte. E de quando visitou com a mulher, Veronica, o Santuário de Aparecida, no interior de São Paulo, “um oásis de paz e oração”, segundo ele.

Os dois herdeiros também participam de “Si”. O primeiro, que trabalha como engenheiro aeroespacial, toca piano na versão acústica de “Sono qui”. Já o segundo, “criado a pão e música”, canta em “Fall on me” e parece mais próximo do caminho trilhado pelo pai.

“Matteo estudou piano clássico, é apaixonado por ópera e já se aventurou no repertório lírico, mesmo em contextos desafiadores, como o Coliseu, em Roma, ou o Teatro del Silenzio, um evento de verão de grande eco internacional [na Toscana], diante de 12 mil pessoas”, orgulha-se.

“‘Fall on me’ é um começo e um bom presságio. Também é uma experiência muito emocionante porque a música basicamente fala de um filho que cresce e enfrenta a vida, com dúvidas, incertezas, e de um pai que o tranquiliza e procura transmitir valores fortes, para dar respostas.”