A banda de pagode baiana La Fúria criou uma versão da música “Shallow”, da cantora norte-americana Lady Gaga. Um vídeo com um trecho da canção foi divulgado pelo grupo no Instagram, na noite desta terça-feira (21).

“Diga o que te fez você sentir saudade de empinar o rabetão. Mais uma vez você tá solteira e voltou pro paredão. Desafio do shallow now, você vai sentar no grau. Senta no shallow now”, diz a música.

Em 19 minutos, a publicação teve mais de 2,7 mil visualizações. Nos comentários, os fãs comentaram sobre a música. “Eu tô é morta”, disse uma fã. “Estourou”, escreveu um internauta. “Minha música”, comentou outra fã.

Além da banda La Fúria, outros artistas fizeram versões de “Shallow”, que fez sucesso após o filme “Nasce Uma Estrela”, interpretado por Lady Gaga. Entre eles, Paula Fernandes, que gravou uma versão da canção com Luan Santana.

A música viralizou nas redes sociais e virou “meme”. Na internet, não se fala outra coisa além de “juntos e shallow now”, em referência ao refrão da composição.

A banda La Fúria é conhecida por apostar em “memes” da internet para o repertório. No início do ano, a banda, comandada por Bruno Magnata, se envolveu em uma polêmica após viralizar com uma música fazendo referência ao ator Fábio Assunção.

“Hoje eu vou beber, hoje eu vou ficar loucão / Hoje eu não quero voltar pra minha casa não / Hoje eu vou virar o Fábio Assunção / Hoje eu vou voltar pra casa só se for no camburão”.

Na época, Bruno e Gabriel fizeram um acordo com Fábio Assunção, que pediu para que a verba conquistada com a música fosse destinada para ONGs que lutam contra dependência química.

Transcrição do vídeo Oi Gente… eu não pretendia tornar esse assunto público por vários motivos, mas a imprensa resolveu comentar e os meninos foram bem generosos fazendo o video deles explicando nosso acordo sobre a música Fabio Assunção. Antes de qualquer coisa eu preciso falar com as pessoas que passam pelo mesmo problema que eu, cada um está nesse momento em um estágio, mas nossa natureza é a mesma. Eu não endosso, de maneira nenhuma, essa glamourização ou zueira com a nossa dor. Minha preocupação é com você que sente na pele a dificuldade e a complexidade dessa doença. Minha vontade é que você tenha sempre um diálogo aberto e encontre um lugar de afeto com sua família, amigos e com a sociedade brasileira e assim merecer respeito e direito a um tratamento digno. Jamais me passou pela cabeça censurar a arte do autor e seus intérpretes, mesmo quando vi o tamanho e o sucesso q a música alcançou. Somos artistas e torço muito para que vocês conquistem cada vez mais fãs. Conheço também a luta do artista no Brasil e torço para que vocês prosperem. Mas não censurar não significa que não existe aqui uma oportunidade de conscientizar. 15% das pessoas do mundo tem problemas de adicção. É muita gente sofrendo por não conseguir controlar suas compulsões e eu acho importante lembrar a todos que isso não tá escrito na certidão de nascimento. Todo mundo começa do mesmo jeito. Achando que tudo bem. E pode não terminar tudo bem. Foi pensando nisso q eu, minha equipe de comunicação e o corpo jurídico que me atende, decidimos entrar em contato com os meninos e tornar essa história um ato propositivo de ajuda a quem precisa e de conscientização geral. 100% dos valores arrecadados com a música serão doados para as instituições A e B que vamos informar posteriormente como um ato irmanado entre quem sente essa dor e quem tem voz para ampliar a conscientização. Nós não somos super heróis. Cuide de vc, cuide de quem vc ama, cuide dos seus amigos nas festas. Seja responsável pelo todo. Lembrem q eu aqui respeito a zueira, amo a brincadeira, mas quero todo mundo bem, forte, feliz e consciente de seus atos e de sua vida. A luta é essa. Tamo junto. @gabrielbartz @brunomagnatareal