DESILUSÃO – Danilo Gentili, que fez piada com a indicação de Eduardo Bolsonaro para embaixador em Washington: a exemplo dos cantores Fagner e Lobão, o humorista passou a ser perseguido por apoiadores do governo assim que mudou de posição (Lailson Santos; JF Diorio/Estadão Conteúdo; Gabriel Cabral/Folhapress)

Danilo Gentili costumava inflamar a tropa bolsonarista com suas piadas e pregações marcadas pelo antipetismo e grande afeição às ideias do presidente. Por essa fidelidade, ganhou uma boa recompensa: em 30 de maio, Bolsonaro se tornou o primeiro chefe do Executivo a aceitar ser entrevistado por Gentili em seu programa, The Noite, no SBT. A conversa rolou em clima de camaradagem. Mas o humor bolsonarista mudou depois que Gentili iniciou uma escalada de críticas ao presidente, principalmente em razão da decisão de indicar o filho Eduardo ao posto de embaixador em Wash­ing­ton. Em 17 de julho, seis dias após essa intenção vir a público, o humorista afirmou na TV que achava boa a iniciativa, porque seria um “Bolsonaro a menos para atrapalhar o governo”. E exibiu montagem de Eduardo com um boné em que se lia “make mamata great again” (“tornar a mamata grande de novo”), trocadilho com um slogan de Donald Trump. Eduardo reagiu, eles trocaram farpas pelo Twitter e o exército bolsonarista nas redes sociais se inflamou contra o apresentador.

O episódio acabou por engrossar a lista de celebridades arrependidas do apoio dado ao presidente. Um dos mais barulhentos fãs de Bolsonaro na época das eleições, o roqueiro Lobão pulou fora da tropa em meados de maio — fazendo também um grande barulho em torno disso. “Não tem capacidade intelectual para gerir o Brasil”, declarou em uma entrevista. De uns tempos para cá, passou a chamar o presidente de “Bolsomico” e se dispôs até a trabalhar pelo impeachment. Mais discreto, o cantor Fagner — que diz ter apoiado Bolsonaro porque desejava “mudança” — assumiu publicamente o arrependimento em entrevista ao programa Conversa com Bial, da Globo, em junho. “Parece que ele continua na campanha. Passa uma impressão de amadorismo”, afirmou.

Em meio aos desiludidos famosos, há um contingente de anônimos que também expressam seu descontentamento nas redes sociais e inspiram os memes de perfis no Twitter como Jair Me Arrependi (140 300 seguidores) e Bolsominions Arrependidos (95 600). A desilusão encontra eco em pesquisas — na última, feita em julho pelo Datafolha, 61% responderam que Bolsonaro “fez pelo país menos do que se esperava”. Assim como Gentili, não estão achando mais graça alguma no governo.

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.