É, indiscutivelmente, uma marca ‘it bag’! Com um jogo simples de associação de palavras LV que, inevitavelmente, lhe remete para aquela que é uma grande potência, a Louis Vuitton transformou o clássico em clássico, o tradicional em moderno, sem nunca demonstrando nenhum sinal de desaceleração face às tendências. Saiba um pouco mais…

Não há quem não a reconheça ou deseje ter uma! Seja no couro Epi – uma exclusividade clássica com quase 100 anos – ou na tela de assinatura Monogram, Gaston-Louis Vuitton criou o design clássico de Noé em 1932. Foi criada por encomenda, a pedido de um produtor de champanhe, e teria de ser uma bolsa resistente e elegante, na qual ele poderia transportar cinco garrafas de espumante.

Para um look mais formal do dia a dia ou para um look mais descontraído de uma fashionista, esta mala dá-lhe tudo o que precisa para “incendiar” e dar um up ao seu look. Nicolas Ghesquière, diretor criativo da Maison Louis Vuitton, criou a Twist Tote com as suas bolinhas pretas aveludadas bordadas em couro branco Epi, numa continuação do tema pop art explorado pelo mesmo nos seus espetáculos.

Provavelmente uma das malas que mais modelos tem. O seu tamanho é excelente e prático e o seu design grita elegância e sofisticação. A Louis Vuitton Capucines foi introduzida pela primeira vez na coleção outono/ inverno 2013 e desde então tem mudado o seu visual. Esta mala eclética, moderna e intemporal tem ainda uma grande herança… Louis Vuitton abriu sua primeira loja em 1854 na Rue des Capucines em Paris e o nome da mala é uma homenagem a esse facto.