Em entrevista para a jornalista Maria Fortuna, do jornal O Globo, Luiz é direto: “O que mais gosto é de ser ator. Não decoro texto, preciso ouvir a voz do meu colega”. Em 2014, o artista de 68 anos perdeu seu programa, Divertics, quando a Globo extinguiu a atração.

Sobre suas caracterizações, o veterano não deixa dúvidas de que é totalmente diferente. Homossexual, o contraste, segundo ele, fica ainda maior. “Ninguém acredita mesmo [que ele seja gay]. Tenho fama de pegador, meus personagens são violentos, nada mudou”, declara.

Ainda usando drogas, Luiz revela que sonha com a legalização da maconha. “Fumo maconha no meu sítio de vez em quando. Bebo pouco. A bebida estraga, a pela fica ruim […] Sou completamente a favor da legalização, que aí não tem corrupção”, explica.