É normal falarmos sobre jogos em forma de paródia feitos por entusiastas, mas é raro ver isso saindo de mãos oficiais. Nesta terça-feira (22), o perfil oficial do ex-presidente Lula, no Twitter, publicou uma paródia do game Pitfall como forma de demonstrar a batalha e os desafios que devem ser enfrentados pelo possível candidato em seu caminho de volta ao Planalto.

Nas cenas que remetem ao game de 1982, Luiz Inácio Lula da Silva é visto saindo de uma cela, na parte subterrânea do cenário, e seguindo pelos tradicionais cenários verdes e amarelos até Brasília. No caminho, escapa de logos da Rede Globo e de juízes-crocodilos, chegando a um pódio que simboliza uma possível vitória nas eleições de outubro deste ano.

É um vídeo cheio de significado, claro, criado para gerar nostalgia, compartilhamentos e, principalmente, reações do público. Pequenas lembranças às eleições vencidas em 2002 e 2006 são feitas, bem como o tradicional slogan “Lula Livre” aparecem ao final, com a peça servindo como parte de uma campanha midiática para que o ex-presidente possa voltar a concorrer nestas eleições.

A publicação, como todas feitas pela campanha do candidato, gerou reações contrárias e a favor no Twitter. Chamou a atenção, entretanto, o comentário feito pelo perfil de Henrique Meirelles, outro postulante à presidência da república, que chamou a paródia de PitFail após ser marcado por um usuário na publicação.

A candidatura de Lula se encontra no centro do debate político e também é assunto de uma batalha judicial. O ex-presidente está preso em Curitiba após ser condenado a 12 anos e um mês de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro pela Operação Lava Jato. Seus apoiadores, entretanto, afirmam que a sentença tem cunho político e seria uma artimanha para, justamente, deixá-lo de fora do pleito.

Mesmo sem ter a candidatura confirmada, Lula aparece em primeiro lugar nas pesquisas de intenção de voto. Seu vice, Fernando Haddad, está rodando o Brasil em campanha, enquanto o PT aguarda decisão do Supremo Tribunal Eleitoral sobre o bloqueio ou não da candidatura do ex-presidente. Nesse caso, Manuela D’Ávila, do PCdoB, será a segunda em comando.

De acordo com a Lei da Ficha Limpa, pessoas condenadas em segunda instância se tornam incapazes de disputarem eleições e cargos públicos. É o caso de Lula, que agora aguarda julgamento do TSE sobre o assunto, em uma decisão que só deve vir em meados de setembro.