Cantora, compositora e empresária, Luísa Sonza encerrou o ProXXIma 2020 com sua participação na Trilha Influencers & Creators, na qual contou suas estratégias para aliar seu processo criativo com estratégias de marketing e engajamento.

Quando está no processo de produção de de um single, Luísa disse que muito da sua estratégia envolve as redes sociais, visando resultados no Instagram e TikTok, por exemplo. Já a produção de um álbum permite um exercício criativo maior, pois o artista consegue trabalhar melhor sua identidade e mensagens que deseja transmitir com o projeto.

“Algumas das músicas você pensa no que vai bombar no TikTok e quais poderão ser legendas de publicações no Instagram mas no álbum, de maneira geral, você consegue colocar para fora tudo o que quer tocar e ser 100% livre sem pensar tanto nas estratégias. É por isso que eu acho que os artistas não deixam de fazer álbuns”, explicou.

Mesmo assim, estrategicamente e por gosto pessoal, a cantora gosta de fazer ambos singles e álbuns. Em uma visão de carreira, ela diz que, como artista, quer construir uma carreira longeva, portanto é preciso unir a mensagem que quer cantar com produções de sucesso comercial, “afinal vivemos em um mundo capitalista e na internet tudo é consumido muito rápido. Você não consegue trabalhar uma música por muito tempo. Há artistas que lançam uma música por mês”, contou.

Seu parâmetro de sucesso de uma música é baseada no número de visualizações no YouTube, sua posição no ranking das músicas mais ouvidas no Spotify e o número de usuários do TikTok fazendo challenges (desafios, normalmente em forma de coreografia) com a canção. “Tive que me adaptar ao TikTok quando eu vi que ele seria mais importante para a música do Instagram, já que ele é uma plataforma só de vídeos e os vídeos tem que ter um som de fundo”, explicou.

Para o futuro da sua carreira, Luísa afirmou que está explorando parceiras para associar sua marca à produtos e pensa em lançar licenciados. Já a carreira internacional, ela diz que está ocorrendo de forma natural. Nesta quinta-feira, 29, ela estreia sua primeira canção em espanhol com Danna Paola e Aitana.

Quanto a relação com as marcas, Luísa se diz muito ativa nos projetos. A depender da situação, ela mesma liga para o cliente e faz reuniões para contribuir com suas ideias de poder entregar ao anunciante um retorno de valor. “Eu tenho essa disposição para que eu continue tendo uma relação longeva com a marca, porque se eu não entregar, isso roda o mercado e o mercado é pequeno”, afirmou. Ela, inclusive, faz reuniões para sugerir parceria com as marcas, como foi o caso do clipe Toma.

A cantora disse não participar de projetos quando não conhece a procedência da empresa, produto ou serviço ou quando o formato de conteúdo não condiz com sua marca. Sobre a autenticidade que as marcas dizem buscar nos creators, Luísa conta que nem sempre as marcas estão abertas para abraçar o criador de conteúdo e a falta de transparência e aceitação nessa relação prejudica os resultados de engajamento. Então seu recado é que marcas devem escutar o parecer dos influenciadores e vice-versa.

Comentários