O cineasta, ator, produtor e roteirista Fábio Barreto morreu na noite desta quarta (20/11), no Rio de Janeiro, após um coma que durou nove anos. A informação foi confirmada por sua filha Júlia Barreto à Marie Claire. “Foi agora à noite”, disse ela. “Meu pai estava internado no Hospital Samaritano, no Rio. O velório será nesta sexta de manhã e a cremação, à tarde”, afirmou. Por ora, segundo ela, a família não pretende se manifestar. A assessoria de imprensa do hospital Samaritano confirmou a morte do diretor sem dar detalhes sobre as causas. Segundo conversa com a reportagem de Marie Claire por telefone, a família Barreto permitiu que a instituição divulgasse apenas o óbito sem maiores detalhes.

O diretor de O Quatrilho (1995) _filme estrelado por Glória Pires e Patricia Pillar, indicado ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro_, e diretor e co-autor de Lula, o Filho do Brasil  (2010), sofreu um acidente de carro em dezembro de 2009, episódio que o levou ao coma. Ele voltava do Aeroporto Internacional Tom Jobim dirigindo uma Pajero Mitsubishi quando, na rua Real Grandeza, no bairro de Botafogo, no Rio, ocorreu a tragédia: por volta de 20h50, Fábio tentou desviar de um outro veículo que passava pelo mesmo local e acabou capotando. Segundo uma testemunha, o cineasta, que estava sozinho no carro, teve o veículo fechado pelo automóvel e despencou de uma altura de quatro metros, para a outra pista.

De acordo com reportagens publicadas na época, Fábio Barreto foi levado ao Hospital Municipal Miguel Couto, onde foi submetido a uma neurocirurgia, sendo transferido para o hospital Copa D`Or com politraumatismos e predominância de traumatismo cranioencefálico. Ele foi submetido a um coma induzido e passou a respirar com a ajuda de aparelhos. Fábio Barreto deixou o hospital após três meses de internação e, desde então, seguia em tratamento.

Fabio Barreto pertence a uma das mais famosas famílias do cinema nacional: ele é filho do fotógrafo e diretor de cinema Luiz Carlos Barreto, o Barretão, um dos mais importantes produtores da sétima arte no país, e da também produtora Lucy Barreto, ambos donos da produtora LC Barreto. Ele é irmão dos também cineastas Bruno Barreto (diretor de, entre outros, Dona Flor e Seus Dois Maridos e O Que É Isso, Companheiro?) e de Paula Barreto.

Fábio deixa quatro filhos: Júlia, Mariana, Lucas e João. Este último é fruto do relacionamento com a atriz Debora Kalume, com quem ele era casado desde 2003. Ela estava grávida do menino quando o marido sofreu o acidente. 

Um dos nomes mais importantes do cinema nacional, Fábio Barreto dirigiu 13 filmes. O mais polêmico foi o drama biográfico Lula, o Filho do Brasil, baseado no livro de Denise Paraná, que conta a trajetória do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O diretor sofreu o acidente logo após finalizar o longa-metragem e não assistiu a sua estreia. 

Fábio Barreto foi indicado ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro por O Quatrilho, baseado no livro homônimo de José Clemente Pozenato, e estrelado por Glória Pires e Patrícia Pillar. O filme sobre dois casais vivendo juntos numa mesma casa na zona rural do Rio Grande do Sul, nos anos 1910, foi um grande sucesso de público e bilheteria e se tornou um clássico.Em dezembro de 2009, quando deixou a CTI do hospital, a família tinha esperanças de que ele se recuperasse plenamente. Em entrevista ao jornal O Globo naquele ano, sua irmã, Paula, comemorava seu progresso. “O Fábio já respira por conta própria, está reagindo aos estímulos de dor e está clinicamente muito bem. Só falta despertar”, dizia a cineasta à publicação. Em  janeiro de 2010 um boletim médico divulgou a melhora em seu estado de saúde, e ele foi submetido a uma nova cirurgia para colocação de uma válvula cerebral como parte do tratamento da hidrocefalia provocada pelo traumatismo crânio-encefálico. Fábio recebeu alta em março e seguiu para tratamento em casa.

Alguns anos depois, em 2005, em entrevista ao site UOL, sua mãe, Lucy Barreto, contou que o diretor “tinha consciência mínima e é inegável que esteja se recuperando”. À época, Fábio fazia tratamento em Boston (EUA), onde fora submetido a estímulos extra-craniano elétricos – com eletrodos colocados na testa e nas maçãs do rosto. “Agora esses estímulos se completaram com outros feitos na mandíbula”, explicou a mãe ao site, descrevendo que haviam sido gravadas mensagens de pessoas da família para que ele ouvisse. Na mesma reportagem, Lucy dizia que Fábio tinha “reagido”: “Ele está mais alerta, mais vivo e, outro dia, ele balbuciou o nome da mulher, Débora. O Fábio tentou também falar com o Luis Carlos [pai] e disse ‘papa’”, afirmou à reportagem.

CarreiraFábio Barreto iniciou sua carreira ainda criança, aos 9 anos, atuando no curta-metragem Três Amigos que Não se Separam, ao lado da irmã Paula. Em 1979, foi assistente de direção de Carlos Diegues no longa Bye Bye Brasil. Aos 20 anos, Fábio dirigiu seu primeiro curta-metragem, A Estória de José e Maria. Ele estreou no Festival de Cinema de Cannes aos 24 anos com o longa Índia, a Filha do Sol (1982). Desde então, foram 13 filmes como diretor e dois como ator.Fábio Barreto foi casado com a também atriz Dora Pellegrino (1988-2000), antes de se casar com Débora Kalume. 

2009 – Lula, o Filho do Brasil2007 – Donas de Casa Desesperadas (série de TV)2007 – Nossa Senhora de Caravaggio (filme)2002 – A Paixão de Jacobina2000 – De Conversa em Conversa (curta-metragem)1997 – Bela Donna1995 – O Quatrilho1991 – Lambada (filme)1988 – Luzia Homem1986 – O Rei do Rio1984 – Índia, a Filha do Sol1978 – Mané Garrincha (curta-metragem)1977 – A Estória de José e Maria (curta-metragem)

Facebook Comments