O sertão que vira mar e os sertões que viram cinema foi o tema da mesa que reuniu o professor e teórico de cinema Ismail Xavier e o cineasta português Miguel Gomes neste sábado (13), na tenda principal da Flip.

Xavier, autor de “Sertão Mar: Glauber Rocha e a Estética da Fome”, livro relançado nesta edição da Festa Literária de Paraty, falou sobre o diálogo entre o cineasta baiano e a obra de Euclides em “Deus e o Diabo na Terra do Sol”, filmado em 1963 por Glauber.

Miguel Gomes contou sobre o novo filme que vai fazer, também baseado no livro, que o cineasta leu por acaso em um voo de Portugal para o Brasil. “É uma das prosas mais poderosas da língua portuguesa”, afirmou. 

“Neste Brasil dos sonhos desfeitos, como falou José Murilo de Carvalho aqui na Flip, precisamos de um novo Glauber que nos traga a profecia de mudança novamente”, disse Xavier. 

O cineasta português quis encerrar a mesa com uma pequena nota de esperança. “De Portugal, vendo as notícias em jornais e TV sobre o Brasil, ficamos um pouco deprimidos. Mas estar na Flip, vendo brasileiros pensar o Brasil, é algo positivo. Tenho consciência que Paraty é uma bolha, mas é importante ter espaços onde o Brasil se pensa.” 

Com o tempo reservado à mesa já esgotado, a mediadora Marina Person afirmou que era mesmo o melhor para encerrar o evento, apesar de as perguntas da plateia ainda não terem sido lidas. “Disseram que o melhor é encerrar a mesa no seu auge. Depois desta apoteose, acho que podemos terminar”, disse ela.

Mais de 180 reportagens e análises publicadas a cada dia. Um time com mais de 120 colunistas. Um jornalismo profissional que fiscaliza o poder público, veicula notícias proveitosas e inspiradoras, faz contraponto à intolerância das redes sociais e traça uma linha clara entre verdade e mentira. Quanto custa ajudar a produzir esse conteúdo?

Copyright Folha de S.Paulo. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress.