RIO — Vivendo em Buenos Aires desde 2007, a mexicana Azucena Losana faz filmes em Super 8 e 16 mm e cria intervenções e performances com obras feitas com materia de arquivo (found footage) e a partir dos próprios equipamentos de projeção. Começou sua carreira no Coletivo Trinchera , no México, e na capital Argentina atua junto ao coletivo Cinema Cínico, que organiza apresentações e performances em residências e espaços privados.

Parte da minha pesquisa é mudar a função original de uma máquina ou mostrá-la por dentro, como se fosse uma cozinha, na qual vemos tudo o que acontece com o que vamos comer. Tudo isso cruzando diferentes expressões artísticas, como o cinema, as artes visuais, a performance, a música. As intervenções transformam as projeções em espetáculos únicos.

Buenos Aires tem uma cena forte de found footage (gênero no qual obras são criadas a partir de arquivos “encontrados” ), e é muito mais fácil conseguir material do que em países como o México ou o Brasil. Prefiro trabalhar com a película, vê-la passando no projetor, o granulado na tela, ouvir o som do motor faz parte da experiência. Mas também crio com o digital, cada obra nasce de uma maneira. Acho linda a palavra ambidestra, e penso que o sentido é o mesmo com o digital e o analógico. Poder trabalhar com filme e vídeo é como saber escrever com as duas mãos.

Saí do México há 11 anos, onde comecei minha carreira em 2003, em um coletivo chamado La Trinchera, de cinema expandido. Vim estudar cinema e novos meios em Buenos Aires, onde fiz uma oficina com Claudio Caudini, um dos pioneiros do cinema experimental argentino. Foi quando comecei a filmar em Super 8 e 16mm. Em uma residência em Praga (República Tcheca) aprendi a revelar filmes e, de volta à Argentina, fui chamada para trabalhar no laboratório Arcoíris Super 8, onde estou até hoje.

Na Argentina há uma expressão, “atado con alambre” (amarrado com arame, em tradução literal). No México existem várias, mas poderia ser “cacharro”, uma coisa velha que segue funcionando graças a pequenos consertos, temporários ou permanentes.

Comentários