Com 52 anos de idade, o ator Vin Diesel parece continuar a todo gás. Mais uma vez, a estrela de filmes como Velozes e Furiosos, Triplo X e Batalha de Riddick é escalado para um papel marcado por pura ação e adrenalina.

Dessa vez, ele interpreta Ray Garrison, um soldado recentemente morto em ação e ressuscitado como um super-herói pela empresa RST. Baseado no best-seller de quadrinhos, Bloodshot é uma das estreias de hoje, dia 12, nos cinemas de Rio Preto. Outros quatro filmes movimentam as telonas com opções que vão desde comédia para a família, como dramas de guerra e até terror.

Com um exército de nanotecnologia em suas veias, Ray Garrison se torna um soldado praticamente implacável, mais forte do que nunca e capaz de se curar instantaneamente. Mas, ao controlar seu corpo, a empresa também influencia sua mente e suas memórias. Agora, Ray não sabe o que é real e o que não é – mas ele está em uma missão para descobrir.

Uma comédia com bastante ação. “Aprendiz de Espiã” apresenta a história de JJ, um insensível e durão agente da CIA, interpretado pelo ator Dave Bautista. JJ é rebaixado de categoria e enviado para proteger uma família. No entanto, ao ser descoberto, ele fica totalmente à mercê de uma menina inteligente de 9 anos chamada Sophie, vivida pela atriz Chloe Coleman. Para não revelar a identidade de JJ, a garotinha o convence a ensiná-la a ser uma espiã. Apesar de não concordar, JJ descobre que não pode competir com o charme e a astúcia de Sophie.

O Drama francês se passa em Paris, no final do século 19. No longa, o ator Louis Garrel vive o capitão francês Alfred Dreyfus, um dos poucos judeus que faz parte do exército. No dia 22 de dezembro de 1884, seus inimigos alcançam seu objetivo e conseguem fazer com que Dreyfus seja acusado de alta traição. Pelo crime, julgado a portas fechadas, o capitão é sentenciado à prisão perpétua no exílio. Intrigado com a evolução do caso, o investigador Picquart decide seguir as pistas para desvendar o mistério por trás da condenação de Dreyfus.

Uma releitura da obra clássica “A Rainha de Espadas” (1834) do escritor Alexander Pushkin, o filme “Maldição do Espelho” retrata a personagem icônica como um sinistro fantasma que retorna sedento por sangue. Desta vez, suas vítimas são os alunos do internato localizado numa antiga mansão, envolta em rumores sombrios.

Divertindo-se com as histórias de terror sobre os assassinatos de crianças ocorridas na casa durante o século 19, os adolescentes encontram na ala abandonada do edifício um espelho misterioso coberto de desenhos estranhos. Por diversão, os alunos iniciam o ritual místico de chamar o espírito da Rainha de Espadas para realizar seus desejos mais íntimos, esperando que o fantasma os cumpra. Os jovens não sabem que suas próprias almas serão o preço a pagar por cada capricho que virá.

Filme Norueguês dirigido por John Andreas Andersen é inspirado numa catástrofe. Em 1904, um sismo de 5,4 na escala Richter atinge a cidade de Oslo-Graben e seus arredores, de forma que atravessa a capital norueguesa. Os anos se passam, e os geólogos começam a suspeitar de que um novo tremor é iminente nesta área. Porém, ninguém consegue prever se eventualmente, e quando, eles acontecerão. No entanto, sabe-se que a densidade populacional e a infraestrutura em Oslo é significativamente mais vulnerável hoje do que em 1904. Cientistas então começam uma luta contra o tempo, pois se ocorrer um terremoto significativamente maior, os danos serão incontáveis.

Para continuar lendo esta matéria, faça seu login de assinante:

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diario da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Comentários