Considerado o mais importante evento audiovisual sul-americano dedicado à temática socioambiental, Salvador recebe pela primeira vez, a Mostra Ecofalante de Cinema. O festival começa nesta quinta-feira, 12, e vai até a quarta-feira, 18, na Sala Walter da Silveira. Todas as sessões são gratuitas e abertas ao público.

Ao todo, o evento contará com 12 filmes de diversos países, que trazem reflexões sobre temas urgentes ligados a questões socioambientais contemporâneas, como o desconhecido transporte global marítimo e suas consequências para o meio ambiente, a situação do sistema de saúde na Venezuela atual, o desastre de Chernobyl e o lixo eletrônico em Gana.

Além das exibições de filmes, serão realizados dois debates. O primeiro ocorre já na quinta-feira, 12, após sessão do filme O Custo do Transporte Global com Eduardo Mendes da Silva, professor do Instituto de Biologia da UFBA. O documentário apresenta uma investigação sobre o transporte marítimo de mercadorias e aborda os custos ambientais e sociais por trás dessa indústria, como as consequências na vida marinha, as condições de trabalho nas embarcações e a poluição dos oceanos.

O segundo debate acontece na sexta-feira, 13, com o filme brasileiro GIG – A Uberização do Trabalho e traz os especialistas Bruno Durães e Graça Druck. O documentário, que venceu o Prêmio do Público na 8ª Mostra Ecofalante, aborda o crescimento do trabalho mediado por aplicativos e plataformas digitais. 

Vencedor do Prêmio do Júri na Competição Latino-Americana, o documentário Está Tudo Bem (Venezuela/Alemanha, 2018), que aborda a falta de medicamentos no centro da crise do sistema de saúde na Venezuela é um dos destaques da mostra. Na temática de saúde, o americano Ebola: Sobreviventes segue as histórias de três personagens no centro da epidemia de Ebola na Serra Leoa.

Outros que merecem atenção é Bem-Vindo a Sodoma (Áustria, Gana, 2018), que retrata um dos lugares mais contaminados do planeta: Agbogloshie, em Gana, o maior depósito de lixo eletrônico do mundo; e o brasileiro Idade da Água, que traz um alerta sobre a questão da falta de água e sobre a cobiça internacional pela Amazônia.

Falando sobre economia, Golpe Corporativo retrata o controle do processo político nos EUA por corporações e bilionários. Já o longa canadense Superalimentos aborda os fatos e mitos por trás de alimentos considerados “super-nutricionais” e revela o efeito cascata dessa indústria nas famílias de agricultores e pescadores mundo afora.

O desastre nuclear de Chernobyl é o tema de O Suplício: Vozes de Chernobyl. Baseado no livro vencedor do prêmio nobel “Vozes de Tchernóbil – A história oral do desastre nuclear”, de Svetlana Alexievich, o filme traz relatos de testemunhas oculares, que falam sobre suas antigas vidas cotidianas e então da vida depois da catástrofe.

O documentário Dolores conta a história de Dolores Huerta, uma das mais importantes, embora pouco conhecidas, ativistas da história dos Estados Unidos. Co-fundadora da Farm Workers Union, ela contribuiu enormemente para a luta dos trabalhadores rurais, além da igualdade racial e paridade de gênero.

No belga A História do Porco (em Nós), o público é convidado a participar de uma jornada centrada no porco, da pré-história ao presente e ao redor do mundo. Já A Verdade sobre Robôs Assassinos é um filme revelador que toma incidentes em que robôs causaram a morte de humanos como uma janela para a automação global e suas consequências.

12/03 (quinta-feira)15hEbola: Sobreviventes (EUA, 2018, 83’ – dir. Arthur Pratt)17hO Custo do Transporte Global (Espanha/França, 2016, 83′ – dir. Denis Delestrac)*Sessão seguida de debate com Eduardo Mendes da Silva (UFBA), do Instituto de Biologia13/03 (sexta-feira)15hA Verdade sobre Robôs Assassinos (EUA, 2018, 82’ – dir. Maxim Pozdorovkin)17hGIG – A Uberização do Trabalho (Brasil, 2019, 60’ – dir. Carlos Juliano Barros, Caue Angeli & Maurício Monteiro Filho)*Sessão seguida de debate com Bruno Durães (UFRB) e Graça Druck (UFBA), do Centro de Estudos e Pesquisas em Humanidades (CRH/UFBa)14/03 (sábado)15hIdade da Água (Brasil, 2018, 82’ – dir. Orlando Senna)17hO Suplício: Vozes de Chernobyl (Luxemburgo/ Áustria, 2015, 87′ – dir. Pol Cruchten)16/03 (segunda-feira)15hSuperalimentos (Canadá, 2018, 70’ – dir. Ann Shin)17hGolpe Corporativo (Canadá/EUA, 2018, 90’ – dir. Fred Peabody)17/03 (terça-feira)15hEstá Tudo Bem (Venezuela/Alemanha, 2018, 70’ – dir. Tuki Jencquel)17hDolores (EUA, 2017, 95′ – dir. Peter Bratt)18/03 (quarta-feira)15hA História do Porco (Em Nós) (Bélgica, 2017, 120’ – Jan Vromman)17hBem-Vindo a Sodoma (Áustria, Gana, 2018, 92’ – Florian Weigensamer, Christian Krönes)

Comentários