Em São Paulo a cultura é livre. Esta é mensagem da Prefeitura de São Paulo com o Festival Verão Sem Censura, que abriga manifestações culturais que foram censuradas ou atacadas na esfera federal no último ano. Entre os dias 17 e 31 de janeiro, obras democráticas e livres se espalham pela cidade em mais de 45 atrações grátis, com shows, peças de teatro, exibições de cinema, exposições, debates, performances e, claro, Carnaval.

A programação tem peças censuradas como “Caranguejo Overdrive” e “Res Publica 2023”, shows de Arnaldo Antunes e Pussy Riot com Linn da Quebrada; apresentação do espetáculo Roda Vida, do Teat(r)o Oficina, no Theatro Municipal; exibição de “Bruna Surfistinha”, seguida de debate com a atriz Déborah Secco e a autora Raquel Pacheco, e sessão do filme “A Vida Invisível”; e bate-papo sobre a história de Carlos Marighella.

A abertura do evento, no dia 17, será realizada na Praça das Artes, com show de Arnaldo Antunes, que teve seu videoclipe censurado na TV recentemente. No mesmo dia, o Theatro Municipal recebe, na sacada, o DJ Rennan da Penha, funkeiro idealizador do Baile da Gaiola preso em março e libertado em novembro.

A programação inclui diversos espetáculos censurados em 2019. No Centro Cultural São Paulo (CCSP), “Caranguejo Overdrive”, de Aquela Cia de Teatro, é exibido após ter a sua reestreia vetada no Rio de Janeiro. A peça foi consagrada com o Prêmio Shell 2016 de Melhor Direção para Marco André Nunes, Melhor Autor para Pedro Kosovski e Melhor Atriz para Carolina Virgüez. As sessões acontecem nos dias 17, 18 e 19.

Censurada pela FUNARTE, a peça “RESPUBLICA 2023” já foi acolhida pela Prefeitura em outubro, quando estreou no CCSP. Agora, o espetáculo do grupo A Motosserra Perfumada chega ao Centro Cultural da Juventude (CCJ), nos dias 22 e 23.

Exposições 
O CCSP apresenta, entre os dias 17 e 31, uma exposição com cartazes de filmes censurados, reconhecendo a importância dos cartazes para preservar a memória do cinema brasileiro – em dezembro, cartazes foram retirados das paredes da sede e do site da Ancine. Na Biblioteca Mário de Andrade, é possível conferir a exposição “Banidos”, com obras do acervo de livros raros censuradas na história literária.

Cinema
No CCSP, é exibido o premiado “A Vida Invisível”, que representou o Brasil na corrida pelo Oscar. O longa-metragem de Karim Aïnouz seria exibido para os servidores da Ancine em dezembro, mas foi vetado pela direção do órgão, do qual o filme também teve os seus cartazes removidos das paredes. A sessão acontece dia 19, na Sala Lima Barreto.

Comentários