Na noite de hoje, Rodrigo Santoro publicou um longo texto elogiando o doutor Drauzio Varella, que esteve em uma reportagens veiculada no Fantástico do último domingo em que falou sobre a situação das pessoas trans em presídios de São Paulo.

O ator, que interpretou a trans Lady Di no filme Carandiru, em 2002 (cujo roteiro foi inspirado em livro do próprio Varella), publicou um trecho da reportagem e foi só elogios ao doutor.

“Antes de viver Lady Di em Carandiru no cinema, foi preciso mergulhar no universo da personagem. Caminhei pelas ruas à noite, sobretudo em Copacabana, e costumava dizer, na época, que tinha entendido o que Héctor Babenco, diretor do filme, estava querendo de mim: alguém sem julgamentos e com muita humanidade pra enxergar a essência de todas aquelas histórias diversas”, começou Rodrigo.

Ele continuou: “Assistindo a essa reportagem sobre as detentas trans e travestis em São Paulo com Drauzio Varella, autor do livro que inspirou o filme, relembro tudo que aprendi e posso ver ali nas conversas essa humanidade e generosidade que vêm dele não só pra ouvir as histórias, mas também para ensiná-las pra nós. E vamos guardar mais essa lição. Obrigado, Drauzio. O seu trabalho sempre foi e segue sendo precioso”, finalizou.

Os fãs do ator concordaram com sua avaliação. “Da pra sentir a dor na voz, nos gestos. E como eu sempre digo: um abraço tem o poder de mudar uma vida inteira. Reportagem humana”, disse um internauta. “Cê acredita que lembrei de você na hora? Exatamente por conta da Lady Di”, contou outra. “Lindo ver o respeito e empatia do Drauzio”, elogiou mais uma.

A reportagem encabeçada por Drauzio Varella emocionou a web e chegou aos Trending Topics no Twitter durante toda a sua exibição, além de ter sido elogiada pela mídia especializada.

Antes de viver Lady Di em #Carandiru no cinema, foi preciso mergulhar no universo da personagem. Caminhei pelas ruas à noite, sobretudo em Copacabana, e costumava dizer, na época, que tinha entendido o que Héctor Babenco, diretor do filme, estava querendo de mim: alguém sem julgamentos e com muita humanidade pra enxergar a essência de todas aquelas histórias diversas. Assistindo a essa reportagem sobre as detentas trans e travestis em São Paulo com Drauzio Varella, autor do livro que inspirou o filme, relembro tudo que aprendi e posso ver ali nas conversas essa humanidade e generosidade que vêm dele não só pra ouvir as histórias, mas também para ensiná-las pra nós. E vamos guardar mais essa lição. Obrigado, Drauzio. O seu trabalho sempre foi e segue sendo precioso.

Comentários