Arranca hoje o Close-up – Observatório de Cinema de Vila Nova de Famalicão, a decorrer de 13 a 20 de outubro, na Casa das Artes, com o seu terceiro episódio, “O Lugar”, que contará com cerca de 40 sessões de cinema contemporâneo e clássicos da história do cinema, com destaque para Kenji Mizoguchi.

A sessão de abertura acontece com a exibição do clássico português do cinema mudo, “Os Lobos” (1923), de Rino Lupo (realizadores estrangeiros ativos em Portugal na década de 1920), que será musicado ao vivo por Legendary Tigerman. O filme foi recentemente restaurado pela Cinemateca Portuguesa, que o disponibiliza numa nova cópia digital. João Bénard da Costa: “[OS LOBOS é uma] obra ‘flamejante’, como se diz do gótico final, situada entre o hiper-realismo e o surrealismo, no vértice de uma estética do insólito que raras vezes, no nosso imaginário, terá tido tanta força e tanta singularidade.”. O filme-concerto é uma encomenda do Close-up a não perder hoje, pelas 21h30.

Ao longo dos próximos sete dias será possível ver filmes como: “Ladrões de Bicicletas” (1947), de Vittorio De Sica, “O Intendente Sansho” (1954), de Kenji Mizoguchi, “Aparajito – O Invencível” (1956), de Satyajit Ray, “Mudar de Vida” (1966), de Paulo Rocha, “A Terra e O Homem” (1969), de Manuel Guimarães, “O Sangue” (1989), de Pedro Costa, “Gatos” (2016), de Ceyda Torun, “A Paixão de Van Gogh” (2017), de Dorota Kobiela e Hugh Welchman, “Zama” (2017), de Lucretia Martel, “Western” (2017), de Valeska Grisebach.

Com um programa diversificado, este observatório apresentará filmes-concertos, com The Legendary Tigerman e Noiserv, filmes comentados por nomes como Bruno de Almeida, Cláudia Varejão e Vasco Câmara, sessões especiais, uma mostra de cinema dedicada à América Latina, conversas e concertos à volta de Café Kiarostami e ainda workshops para escolas e famílias.