No dia 29 de abril de 1980, hoje decorridos 39 anos, o mundo do cinema perdia a genialidade de Alfred Hitchcock, por todos considerado o maior ícone do suspense, um dos cineastas mais comentados, biografados e reverenciados de todos os tempos. Hitchcock tornou-se aclamado pela direção de filmes instigantes, que faziam as pessoas ficarem presas às cadeiras de cinemas em todo o mundo, tal a intensidade das tramas que sabia como ninguém desenvolver. Este 2019 é o marco dos 130 anos de nascimento desse gênio do cinema.

Assim foi com Psicose (1960), Um Corpo que Cai (1958), Os Pássaros (1963), Janela Indiscreta ( 1954), Festim Diabólico (1948), O Homem Que Sabia Demais (1956),Cortina Rasgada (1966), Disque M Para Matar, Um Barco e Nove Destinos. Além de saber manipular bem os elementos de um filme ( roteiro,elenco, jogo de câmeras, edição….), Alfred Ritchcock era um gênio do marketing, transformando-se em um personagem público. Foi um dos primeiros diretores a explorar a sua própria imagem, criando o hábito de fazer pontas nos seus próprios filmes.

É difícil escrever sobre ele sem a sensação de estar repetindo o que todos sabem, ou pelo menos o que todos deveriam saber há muito tempo. Mais difícil ainda é buscar novos ângulos para a análise de suas obras e de sua vida.

Ele já foi tratado como um simples artesão, como um mero empregado dos estúdios, repetindo a mesma fórmula para garantir bilheterias, mas também já foi alçado à condição de gênio, de grande autor, principalmente depois que os franceses da Nouvelle Vague (Truffaut à frente) promoveram uma releitura respeitosa (e quase sempre precisa) de seus principais filmes. Então, quem é o verdadeiro Hitchcock?

Antes de tudo, era um trabalhador do cinema. No sentido proletário do termo. Ao contrário dos diretores da atualidade, que são empresários, muitas vezes multi-milionários, e que se envolvem diretamente na produção de seus filmes, Hitch manteve sua vida dentro da câmara, preocupando-se, essencialmente, com o que o público assistiria. Decidir o enquadramento sempre foi mais importante que decidir o orçamento. Talvez por isso, ele conseguia imprimir aos seus filmes um caráter, ao mesmo tempo, autoral e popular.

Hitchcock dominava a linguagem e conhecia como ninguém os recursos técnicos que a indústria poderia lhe proporcionar, mas parecia sempre mais disposto a brincar com o público (inclusive aparecendo rapidamente em seus filmes) do que a agradar aos chefões.

Hitchcock nasceu na Inglaterra, em 13 de agosto de 1889, teve uma rígida educação jesuíta e pretendia seu engenheiro, mas acabou, ainda bem jovem, desenhando legendas de filmes mudos numa produtora londrina. Na década de 20, com o cinema ainda numa fase romântica, a diferença entre desenhar legendas e dirigir um filme ainda não era tão grande. Depois de um breve período de aprendizado, como assistente de direção e montador, em 1925 fez seu primeiro filme, nunca concluído, “The pleasure garden”, obra ainda medíocre. Em 1926, contudo, já assina “The Lodger”, uma história com Jack, o Estripador, demonstrando grande talento. Daí por diante, não parou mais de filmar.

Sua “fase inglesa” vai até 1939, quando David Selznick o leva para os Estados Unidos. Em Hollywood, a personalidade reservada de Hitch, pouco afeita a festas e badalações, contribuiu para criar a sua aura de “senhor do suspense e do mistério”. Na verdade, o que ele queria era filmar. E filmava como ninguém. Já começou ganhando um Oscar com “Rebecca”, e foi afirmando-se como um cineasta capaz de extrair bons filmes até de argumentos fracos.

Como sua produção era muito extensa, e sempre no ritmo ditado pelos estúdios, teve momentos de maior ou menor qualidade. Mas quem vai negar os acertos de “Psicose”, “Vertigo”, “Disque M para matar”, “Os pássaros”, “Intriga internacional” e “O homem que sabia demais”? O estilo de Hitchcock, que combina realismo na ação, com um certo maneirismo na construção dos personagens e extrema inventividade na narrativa visual (resultante, antes de tudo, de uma decupagem brilhante e sofisticada), já foi muito copiado, mas, como acontece com obras e autores de exceção, não pode servir de paradigma para ninguém. Hitchcock foi um dos grandes. E ponto final.

Ao longo da intensa carreira recebeu várias indicações ao Oscar, por Um Barco e Nove Destinos, Quando Fala o Coração, Janela Indiscreta e Psicose, mas nunca ganhou a estatueta de Melhor Filme. Em 1967, recebeu da Academia o prêmio Irving G. Thalberg, pelo conjunto da sua obra. Além dos títulos citados, filmes como: A Dama Oculta, Correspondente Estrangeiro, Suspeita, Sabotador, A Sombra de uma Dúvida, Interlúdio, Festim Diabólico, Pacto Sinistro, O Homem que Sabia Demais, Um Corpo que Cai e Os Pássaros foram responsáveis por inspirar uma nova geração de cineastas e revolucionar o suspense. Na verdade, foi Hitchcock quem melhor definiu a diferença entre mistério e suspense. Enquanto que no primeiro ninguém sabe o que está para acontecer, no segundo apenas os personagens da trama desconhecem os acontecimentos, enquanto a platéia presente sabe o que está para acontecer.