O RX-7 é um modelo esportivo desenvolvido pela marca japonesa Mazda durante os anos de 1978 e 2002. Ficou célebre pela configuração do seu motor Wankel rotativo de posição dianteiro-central e por ter servido de veículo do herói japonês Jaspion.

O veículo era espartano com ênfase na dinâmica de direção, em lugar do conforto material. Inovando a família de modelo esportiva leve com tração traseira por seus motores rotativos únicos, que tiravam sua potência de rotores triangulares em vez dos pistões tradicionais.

Durante três gerações, o Mazda RX-7 marcou a época com um estilo esportivo e original, especialmente pelo seu duplo motor rotativo Wankel. O veículo, vendido inicialmente por 6.995 dólares, incluía suspensão de molas helicoidais, eixo traseiro, direção de esferas recirculantes e freios front-disc/rear-drum.

O RX-7 é considerado um dos veículos mais importantes saídos do Japão, tendo aparecido em filmes, programas de TV e vídeo games, incluindo o filme campeão de bilheteria Velosos e Furiosos. Mas a sua popularidade ganhou notável alcance como carro do herói japonês Jaspion.

Com 4.285 mm de comprimento e linhas afiladas que combinavam retas e superfícies curvas, incluindo faróis escamoteáveis, o design esportivo – baseado no Porsche 924 – era bem modernizado para época.

Nascida como substituto do RX-3, o RX-7 estava equipada com motor 1,1 litros duplo Wankel Mazda de 12A, com carburador quádruplo único, cuja potência inicial começou com 105 cv e chegou até 134 cv com o término da geração.

Este tipo de motor dispensa vários componentes, entre os quais pistões, camota e árvore de comando de válvulas. Por outro lado, tem a desvantagem de um desgaste acelerado, alto consumo e em menores rotações pouco binário.

A caixa de câmbio era manual de cinco marchas e permitia acelerar de 0 a 100 km/h em apenas 8,5 segundos e superar os 200 km/h. Já o consumo era cerca de 11 litros a cada 100 km.

Para o Japão, houve uma versão exclusiva do RX-7 Turbo como topo de linha do modelo da primeira geração, com 165 cv de potência. Aliás, esportivo da Mazda teve diversas variações de país para país.

Uma característica incomum do RX-7 era o bagageiro, pois o acesso ao porta-malas era feito pela janela traseira que levantava como uma tampa, uma herança visual do modelo alemão.

Opções e modelos variaram de país para país. O layout do medidor e o estilo interior da Série 3 foram alterados apenas para as versões norte-americanas. Além disso, a América do Norte foi o único mercado que ofereceu a primeira geração do RX-7 com o 13B, modelo GSL-SE injetado por combustível. As vendas da primeira geração RX-7 foram fortes, com um total de 474.565 carros de primeira geração produzidos; 377.878 (quase oitenta por cento) foram vendidos apenas nos Estados Unidos. Em 2004, o Sports Car International nomeou este carro em sétimo lugar na sua lista de Top Sports Cars da década de 1970. Em 1983, o RX-7 apareceria na lista de dez melhores da revista Car e Driver pela primeira vez em 20 anos.

Entre 1986 a 1991 houve a segunda geração do Mazda RX-7 com estilo mais familiar, um ligeiro aumento de comprimento com 4.310 mm e 5 mm mais alta, bem como um aumento considerável de peso, mais de 39% nos últimos anos, devido a inclusão de novos equipamentos.

O motor mantinha o duplo rotor, chegando a 1,3 litros e oferecendo duas versões de potência: 148 cv e 205 cv. Mas a maior novidade foi a opção cabriolet, lançada em 1988.

Em 1992, surgiu a última geração do RX-7, que teve que rivalizar com lançamentos de modelos esportivos mais modernizados, como o Mitsubishi 3000 GT, Nissan 300 ZX e Honda NSX.

A motorização já alcançava mais de 250 cv de potência e o peso total ficou mais leve com 1.270 kg, o que permitiu o RX-7 fazer de 0 a 100 km/h em 5,2 segundos e atingir a velocidade máxima de 256 km/h.