7 detalhes que você pode não ter percebido em El Camino

Desde o seu princípio, Breaking Bad foi reconhecida pelo seu diferencial cinematográfico e pela atenção dada a detalhes como raramente víamos em obras seriadas. A transposição desse universo para o cinema com o filme-epílogo El Camino: A Breaking Bad Film (disponível na Netflix) fluiu naturalmente.

Você pode ter gostado ou não da sequência, mas pelo menos um quesito deve estar longe de críticas negativas: a direção de arte. Breaking Bad teve um trabalho excelente de cenografia, cores, figurino, enfim, de ambientação estética e, em El Camino, o departamento de arte utiliza todo espaço da tela para colocar elementos das cinco temporadas através de reproduções de enquadramentos, esquemas de cores e inserção de objetos.

Selecionamos sete desses momentos que ganharam ênfase em El Camino, mas que mesmo assim podem ter passado despercebidos, já que é difícil lembrar tudo o que se passou na série.

Há um time-lapse que mostra o amanhecer em Albuquerque e, em seguida, uma galeria que parece estranhamente familiar: é o mesmo lugar onde ficava o escritório do Saul Goodman, onde já não vemos a logotipo dele e uma outra loja funciona no local.

Em outro momento, vemos o restaurante que conhecíamos como Los Pollos Hermanos, mas como a franquia acabou por motivos óbvios, um novo restaurante se encontra no local, o Twisters. Aqui, há ainda uma curiosidade: Twisters é um restaurante real de Albuquerque que serviu como set da série e até hoje recebe fãs que vão conhecer o lugar que deu vida ao Los Pollos Hermanos.

Em meio a toda a bagunça do apartamento revistado de Todd, é possível ver um uniforme da Vamonos Pest, que lembra o quão danoso foi para Walter o envolvimento com a empresa (lembrando que ele comprou a empresa como fachada juntamente com Mike e Jesse).

Leia também  10 curiosidades sobre o Demônio Azul que você precisa saber

Em El Camino, há uma grande ênfase em uma placa que indica o cruzamento da Avenida Holly com a estrada Arroz. Para essas placas, há pelo menos duas teorias: a primeira é de que seria uma referência à namorada de Vince Gilligan, criador da série, que se chama Holly Rice (e “rice” é arroz em inglês); a segunda teoria sugere que o nome Holly seja uma referência à filha de Walter White.

Jesse ouve no noticiário que uma mulher de Houston havia sido envenenada por Walter White e que, apesar de viva, provavelmente não resistiria. Lydia tem um importante papel na temporada final de Breaking Bad e uma relação bastante próxima a Todd, em cujo apartamento tem um globo que parece conter uma miniatura dos dois: ele de pé olhando para ela e ela sentada em uma xícara de chá (lembrando que Walter envenenou o chá dela).

O memorável episódio da mosca, quando Walter White tenta a todo custo matar o inseto, termina com Walter olhando para o teto e, mais especificamente, para o detector de fumaça, em cuja luz vemos a silhueta de uma mosca. A ideia de algo que ainda não está resolvido, terminado, é retomada em El Camino e, dessa vez, vemos Jesse deitado olhando para um teto que contém um detector de fumaça.

Em outro momento, quando Jesse está procurando o dinheiro no apartamento de Todd, um dos locais em que procura é justamente sob a pia, mesmo local em que Walter escondia pacotes de metanfetamina.

Supõe-se que o animal seja o mesmo que aparece na quinta temporada, quando Todd mata um garoto após o assalto ao trem. A vítima, no início do episódio, aparece apanhando uma aranha e dando a entender que quer cuidar dela como um pet.

Leia também  8 curiosidades sobre o 'Ocean's 8'

A presença da aranha no apartamento de Todd abre mais uma possibilidade para El Camino explorar o lado bom de Jesse, que jamais concordou com mortes de inocentes.

Na segunda temporada, Jesse deixa um besouro caminhar pela sua mão e, logo em seguida, o esmaga sem motivo algum. No filme, muito mais maduro e contemplativo, ele reencontra um inseto e é clara a diferença entre o antigo e o novo Jesse simplesmente pelo modo como ele lida com um detalhe aparentemente tão pequeno.

O importante é lembrar que, quando se trata de Breaking Bad e El Camino (e de qualquer bom filme em geral), nada está em cena por acaso. Cada objeto foi minuciosamente escolhido e disposto segundo alguma racionalidade e, algumas vezes, com algum grande significado.