Daqui a uma semana, no dia 12, começa mais uma edição da Campus Party: é a #CPBR12. É lá que se reúnem os interessados em inovação, empreendedorismo, tecnologia e assuntos afins. Para esta edição, o Olhar Digital tem dois ingressos para oferecer aos leitores. Quer saber como concorrer a eles? Clique aqui.

A brincadeira teve sua primeira edição em 1996, na Espanha. Começou com uma ideia da Associação Juvenil EnRED, de tornar públicas suas LAN parties privadas. Com o apoio do empreendedor Paco Ragageles, foi organizada a primeira Campus Party, que aconteceu em Málaga, Comunidade Valenciana e Palma de Mallorca. 

A festa, que começou com mote tecnológico e hoje tem como foco o empreendedorismo, atrai interessados em tecnologia e empreendedorismo. Para que a interação entre eles seja completa, o espaço se transforma em lar para os participantes e tem área de camping, vestiários, banheiros, lavanderia, supermercado e assim por diante.

Em 2008, a Campus Party, pela primeira vez, teve uma edição fora da Espanha. Foi aqui no Brasil, de 11 a 17 de fevereiro, no prédio da Bienal do Ibirapuera, na zona sul de São Paulo. Vieram para o encontro 3,3 mil participantes (os chamados campuseiros) de mais de 18 países. 

Os campuseiros são divididos em comunidades com base em seus interesses. Cada comunidade ocupa uma mesa, mas elas não são reservadas pela organização. É por isso que, na abertura, o pessoal corre para garantir uma delas e colocar ali seus objetos para guardá-la: vale bandeira, placa de “reservado” e outros itens que ajudem a marcar território.

Nem só de computadores vive a Campus Party: muita gente vai para o encontro para praticar suas habilidades nos jogos de tabuleiro e até para expor sua destreza em trabalhos manuais. É comum encontrar campuseiros jogando pinball, pebolim e similares.

Muitos participantes da Campus Party vêm de outras localidades. Como o evento dura cinco dias, eles precisam dormir no local. Para tornar tudo mais animado, eles fazem até festinhas. Por isso, em diferentes horários é comum encontrar gente passeando pelo pavilhão de pijama.

Muitas startups têm na Campus Party sua plataforma de lançamento. Todos os anos, o local é palco para o anúncio de produtos que rapidamente ganham visibilidade no mercado. E, a cada ano, aumenta a quantidade de empresas preocupadas com sustentabilidade e acessibilidade.

Entre os destaques da Campus Party estão os casemods cada vez mais elaborados. Os aficionados se preparam muito para o encontro e, invariavelmente, trazem novidades todos os anos. Há desde modelos temáticos (Dragon Ball Z, Batman, Homem de Ferro e outros) até aqueles com recortes no gabinete e muita iluminação em led para mostrar os componentes internos.

Estre ano, estreia a Campus Music: quem tem uma banda pode se apresentar em um palco da #CPBR12. Podem ser covers, autorais ou instrumentais e a melhor apresentação (a considerar desempenho, técnica, arranjo e originalidade) leva prêmios.

Os números do encontro de 2019 são bastante grandiosos. Nos seis dias de Campus Party, haverá a apresentação de 900 palestrantes e a produção de mil horas de conteúdo. Para isso, a internet vai ter 40Gb/s de velocidade e quem quiser pode ficar ligado 24h por dia.