Além de narrar as conquistas de Éder Jofre, trama enfoca na relação do boxeador com o seu pai, Kid Jofre, também seu treinador. Imagens: Divulgação A galeria de grandes nomes do esporte brasileiro que tiveram suas histórias contadas em filme acaba de ganhar mais um nome de peso. Quem chega para reforçar o time, que já conta com Pelé, Garrincha e Ayrton Senna, é o ex-pugilista Éder Jofre, que tem sua trajetória retratada no filme “10 segundos para vencer”, que entra em cartaz nesta quinta-feira (27) nos cinemas de todo País. Dois dias antes da estreia, o Esportes O POVO deu uma conferida. No formato de cinebiografia, o filme conta com enredo clássico de escalada para o sucesso, mas serve acima de tudo como homenagem em vida a um dos maiores boxeadores da história, ao destacar os gradens feitos da carreira de Éder. Um dos momentos mais emocionantes é quando o filme mostra como Éder conquistou o 1° título mundial de boxe, em 1960, quando faturou o cinturão do peso galo, em Los Angeles. Fugindo da narrativa de luta sofrida, a obra destaca a comemoração, a reação do público e comemoração no Brasil, entre amantes do esporte, amigos e familiares do pugilista.  A trama se desenvolve focada na relação entre Éder Jofre e seu pai, Kid Jofre, que assume desde a cedo a missão de torná-lo um campeão de boxe, dando sequência a linhagem de pugilistas da família que, além do próprio Kid, conta com o tio Zumbanão, que não consegue ir longe no esporte. Na sua trajetória até a glória, Éder (interpretado encara uma série de provações (com dietas e treinos duros na academia deu seu pai, que faz o perfil de técnico carrasco). Em meio a tudo isso, Éder enfrenta dilemas, como conciliar o esporte com os estudos (a carreira no boxe o faz deixar de lado o sonho de ser arquiteto) e o problemas na vida pessoal, com a esposa Cida e a doença grave do irmão Doga. Éder Jofre ao lado do ator Daniel Oliveira, que o interpreta o ex-boxeador no filme. Um dos méritos do filme é o não exagero em cenas de luta no ringue. Para imprimir mais realismo, a obra exibe imagens reais da conquista do primeiro título mundial de Éder Jofre, com áudio de narração original e manchetes de jornais da época. Mas nem só de glórias vive um campeão. A carreira de Éder teve também seus momentos de baixa, quando decide de se aposentar logo após sofrer a primeira derrota na carreira, para o japonês Harada, em embate contestado, disputado no Japão. Após anos de ostracismo, o ‘Galinho de Ouro’, como ficou conhecido, decide voltar aos ringues, novamente treinado pelo pai. De forma triunfal, conquista mais um título, em 1973, agora em nova categoria (peso-pena) e escreve seu nome de vez na história do boxe como um dos maiores da história.  Com duas horas de duração, “10 minutos para Vencer” é um filme de Alvarenga Jr e conta no elenco com nomes como Daniel Oliveira (que interpreta Éder Jofre) e Osmar Prado (no papel de Kid Jofre). Hoje com 82 anos, Éder Jofre assistiu ao filme na sessão de pré-estreia, em São Paulo. Não segurou o choro. Se deu conta também do legado que deixou o esporte, agora eternizado na tela do cinema.SERVIÇO10 Segundos para vencerData de estreia: 27 de setembro Gênero: dramaDuração: 122 minutos Direção: José Alvarenga Jr.Elenco: Daniel de Oliveira (Eder Jofre), Osmar Prado (Kid Jofre), Ricardo Gelli (Zumbanão), Ravel Andrade (Doga, irmão) e Keli Freitas (Cida, esposa)Em cartaz nos principais cinemas de Fortaleza a partir de quinta-feira (27)