“A coragem e o heroísmo que presenciamos, são incrivelmente inspiradores. Portanto, sim, este é um filme para nós”, afirmou Scott, acrescentando que se reunirá em breve com possíveis roteiristas para um filme que, segundo suas estimativas, teria em orçamento dentre US$ 30 milhões e US$ 60 milhões.

No entanto, apenas um dia depois de conhecer as intenções de Scott e da Pure Flix, Jon M. Chu, diretor americano de origem chinesa, afirmou na quarta-feira (11), através do Twitter, que ele também quer levar ao cinema o resgate na Tailândia para evitar que Hollywood se aproprie desta história.

“Eu me recuso a deixar Hollywood ‘branquear’ a história do resgate na caverna de Tailândia!”, disse Chu utilizando o termo “whitewashing”, que na indústria audiovisual se refere à criticada prática onde atores ocidentais interpretam personagens que não são brancos.

“A lição maior que aprendi fazendo ‘Podres de ricos’ é que devemos contar nossas histórias, especialmente as mais importantes, para que a história não as confunda, é importante demais deixar os outros ditarem quem são os verdadeiros heróis”, completou o cineasta.