O TikTok é um app que está em alta, com uma popularidade especialmente alta entre adolescentes e uma marca expressiva de 1 bilhão de downloads. A empresa responsável pelo app, a chinesa ByteDance, quer aproveitar isso para crescer em outro setor: o de streaming de música. De acordo com a Bloomberg, a companhia deve lançar um serviço do tipo até julho.

Segundo a publicação, a ByteDance já teria fechado acordos com duas das maiores gravadoras da Índia, a T-Series e a Times Music. O país, vale dizer, é o maior mercado do TikTok, apesar de o app ter enfrentado problemas legais por lá recentemente.

A ideia é ganhar terreno em países em desenvolvimento, onde streamings mais estabelecidos, como Spotify e Apple Music, ainda não contam com muitos assinantes.

A empresa quer arrumar uma outra fonte de renda além de propaganda e tentará provar que é viável oferecer um serviço pago em mercados emergentes. Como observa a matéria, Ásia, África e Oriente Médio têm a maioria da população do planeta, mas apenas 10% dos usuários do Spotify.

Segundo pessoas da indústria fonográfica ouvidas pela Bloomberg, o streaming de música do TikTok não é uma cópia dos seus concorrentes, e terá também uma biblioteca de vídeos musicais.

O aplicativo musical será independente do TikTok e terá inclusive outro nome, mas a ideia é usar a audiência da rede de vídeos curtos para conquistar clientes. O TikTok, inclusive, já é uma plataforma relevante para lançamentos musicais. O jovem rapper Lil Nas X, por exemplo, chegou ao topo das listas da Billboard depois de sua música “Old Town Road” viralizar em um meme na rede social.

Além do TikTok, a ByteDance conta com um portfólio que inclui o aplicativo de vídeos Vigo Video e o agregador de notícias Toutiao, entre outros. No ano passado, a startup foi avaliada em US$ 75 bilhões.