“Rebelde”: 2ª temporada está melhor que a primeira e mostra personagens mais profundos

“Rebelde”: 2ª temporada está melhor que a primeira e mostra personagens mais profundos

“Rebelde” está de volta com sua 2ª temporada. A série da Netflix fez sucesso com o seu ano de estreia e garantiu uma renovação poucos dias após o lançamento dos primeiros episódios. A 2ª parte da história chega ao serviço de streaming nesta quarta-feira (27) e o Purebreak Brasil já pôde conferir os primeiros capítulos do novo ano. Por isso, dizemos com tranquilidade: a temporada inédita está bem melhor que a primeira e traz grandes mudanças para os personagens principais, aprofundando os protagonistas e dando um desenvolvimento mais interessante para cada um deles.

O principal motivo para a 2ª temporada de “Rebelde” parecer estar melhor que a primeira fase da trama é o fato dos protagonistas se deixarem levar por um drama mais intenso. Se nos capítulos iniciais os adolescentes pisavam em ovos para entregar uma carga emocional que deixou a desejar, o novo ano traz uma intensidade bem maior, digna de jovens que estão passando pela puberdade enquanto enfrentam uma grande pressão no colégio Elite Way School e sonham com um destino no mundo da música.

Não há mocinhes e vilões, cada um dos personagens tem seus defeitos e qualidades e estão passíveis ao erro. Seja por meio de discussões sérias, vacilos pesados ou sentimentos negativos profundos, a sequência mostra que os criadores entenderam melhor o que fez “Rebelde” representar toda uma geração: o seu melodrama teen digno de novela mexicana.

Uma das coisas mais legais do novo ano é acompanhar de perto o desenvolvimento de MJ (Andrea Chaparro). Se antes ela era vista como uma mera coadjuvante um pouco deslocada do resto do grupo, agora a jovem tem muito mais segurança sobre si mesma e sabe o que merece. A mudança na protagonista favoreceu até mesmo a atriz que a interpreta, que parece estar muito mais confortável no papel ao explorar essa outra face da personagem.

Depois dos eventos dos últimos episódios da primeira temporada, ela mudou oficialmente de lado e largou de mão os Rebeldes. Sem medo de ser enxergada como uma vilã, MJ tem sim os seus motivos e a série fica muito mais rica ao mostrar para gente o outro lado, sem simplificar a trama como uma questão de vilão vs. mocinho.

Além disso, os conflitos que os membros do grupo principal têm com ela são bem interessante. E não é só com MJ! Há discussões entre Jana (Azul Guaita) e Esteban (Sérgio Mayer Mori), Andi (Lizeth Selene) e Emília (Giovanna Grigio) e vários outros que se dão de forma bem mais dramática.

Personagens inéditos, novos romances e transformações em EWS são a marca da 2ª temporada de “Rebelde”. Os novatos da escola prometem mexer bastante com a dinâmica dos protagonistas, enquanto vemos um outro diretor assumir o comando do Programa de Excelência Musical (MEP) e mostrar aos aspirantes a músicos um mundo diferente.

Tudo isso dá espaço para desenvolver as individualidades de cada um dos personagens principais e se reflete até mesmo nas escolhas musicais. A trilha sonora no início da série parece um pouco perdida, justamente porque os Rebeldes estão na busca para encontrar o próprio som. Ainda que joguem como um time, no novo ano, o elenco principal está se descobrindo e mostrando que tem vida própria e muita história para contar.

Confira a publicação original

Facebook Comments