Redação 89segunda-feira, 19 de abril de 2021

imagem divulgação

Dogecoin, a famosa criptomoeda do meme, está dando o que falar. Ela disparou mais de 400% na última semana, enquanto que as principais moedas digitais caíram. Agora, tem um valor de mercado de cerca de US$ 34 bilhões.

Ao contrário do Bitcoin e da maioria das outras criptomoedas, a Dogecoin foi projetada em 2013 como uma piada retratando um cachorro da raça Shiba Inu. Como sempre teve pouco valor, caracterizou-se como um token de gorjeta. De acordo com o CoinMarketCap, ela estava cotada na manhã desta segunda-feira (19) em US$ 0,36. Mas é aí que mora o perigo. Celebridades como Elon Musk, CEO da Tesla, e Mark Cuban, dono do Dallas Mavericks, são entusiastas da criptomoeda do meme e prometem abalar o mercado. Segundo noticiou nesta segunda-feira (19) o Decrypt, eles estão entre aqueles que vão comemorar o dia 20 de abril — um feriado não oficial que celebra o uso da maconha — como o Dia da Doge.

A ideia deles é comprar a moeda em grande escala para aumentar seu preço. Eles foram ao Twitter falar para que investidores façam o mesmo. Se o movimento for robusto como as celebridades acreditam, a Dogecoin poderá quebrar a barreira histórica de um dólar.

Essa ação comandada por Musk e Cuban foi tão grande que até mesmo a Mars Inc., uma das maiores marcas de chocolates do mundo, está agora promovendo a criptomoeda. A conta oficial do Twitter das barras de chocolate Snickers postou um pacote temático da Doge com a hashtag #DogeDay. Segundo o USA Today, a empresa deixou claro aos investidores que sua campanha era apenas um “gif legal”. Agora, é esperar a movimentação do mercado neste 20 de abril pra saber se muita gente vai “viajar” com essa criptomoeda.

Leia também  Polido: Clubhouse e os desafios para o marco digital no Brasil

Guess what day it is? #DogeDay. Tomorrow? #DogeDay420 😎 (not an actual Snickers pack, just a cool #doge gif) pic.twitter.com/9GAeFsRJU9

— SNICKERS (@SNICKERS) April 19, 2021

Matéria da semana passada do InfoMoney alertava que especialistas em criptoativos recomendam uma exposição de apenas 1% ou 2% do total da carteira do investidor neste mercado, evitando superar 5% para quem quiser ser mais arriscado. Além disso, antes de investir, é preciso estudar e entender as funções e fundamentos de cada criptomoeda, não comprando apenas por conta de um movimento como o visto com a Dogecoin neste momento.

Comentários