Você já ouviu falar em nomes como Whindersson Nunes, Felipe Neto, Maisa Silva, Manu Gavassi e Carlinhos Maia? Talvez você não se identifique com o tipo de conteúdo que essas pessoas produzem, mas não pode negar que provavelmente as conhece e até precisa admitir que elas atuam muito bem como influenciadoras digitais – afinal, elas geram muita influência por onde passam.

Essa profissão não é nova, segundo um excelente artigo publicado pelo site de roleta online Betway. Trata-se de algo que nasceu há centenas de anos, mas que ganhou uma cara totalmente diferente com o advento das mídias sociais.

Estamos diante de um mercado que deve movimentar cerca de R$ 10 bilhões só em 2021, mostrando que não devemos ignorar a influência que essas pessoas exercem em nossas vidas. Mas como funciona a profissão de um influenciador digital? E o que o futuro reserva para essa carreira tão nova e ainda assim tão promissora?

Como surgiram os influenciadores?

Entenda como começou a história da influência. (Fonte: Betway/reprodução)Fonte:  Betway 

Essa lógica de utilizar uma pessoa conhecida para atrair a atenção para uma marca ou um produto não é algo novo. O chamado marketing de influência é uma técnica que está sendo usada pelo menos desde 1760, quando a Rainha Charlotte promoveu uma marca de porcelanas – o que pode ser considerada a primeira fase da história sobre influência. De lá para cá muita coisa mudou, mas a técnica ainda é bastante usada pelas empresas no intuito de atrair consumidores.

O artigo já mencionado da Betway nos lembra de um caso brasileiro famoso: o da Xuxa e a sua parceria com a empresa do hidratante Monange, que realmente ficou marcado em nossa memória e deve ter feito muitas pessoas aderirem à marca. O uso de celebridades que emprestam a sua influência pode ser entendido como a segunda fase do marketing de influência.

Leia também  Alerta fofura! Em vídeo, Rafa Vitti ensina filha a andar de skate | Celebridades

Já a terceira fase dessa história da influência é a que estamos atualmente. Agora, qualquer um pode ser um influenciador digital, e não somente celebridades e pessoas conhecidas. Podemos perceber isso se analisarmos o nascimento de nomes a partir de plataformas como Fotolog (perto do ano 2002), YouTube, Instagram, Twitter e mais recentemente o TikTok.

Como funciona a profissão?

A capacidade de um influenciador é medido por sua capacidade de engajar o público. (Fonte: Betway/reprodução)Fonte:  Betway 

Apesar de ter suas raízes em um período muito anterior ao advento da internet, foi com a chegada das redes sociais que a profissão de influenciador passou por uma grande transformação. Hoje, um digital influencer é medido por aspectos como tamanho do público, fidelidade, capacidade de engajamento e outros aspectos importantes para as marcas.

Quando o creator – como eles também são chamados – tem uma base forte, ele atrai empresas que estão dispostas a pagar por um espaço publicitário nos canais usados pelo influenciador. Porém, para dar muito certo é preciso que isso aconteça de modo natural ou de modo que o influenciador digital possa dar o seu “toque criativo” na publicidade.

Afinal, como bem observa o artigo da Betway, os seguidores de um influenciador digital estão atentos às “incoerências” entre a vida do creator e o que ele está divulgando. Um bom exemplo de como isso pode ser perigoso – tanto para a marca quanto para o influenciador digital – aconteceu na pré-era digital, quando a cantora Sandy se aliou à marca de cervejas Devassa.

Qual o futuro do mercado de influenciadores digitais?

O mercado de influenciadores não dá sinais de que está em queda. (Fonte: Betway/reprodução)Fonte:  Betway 

O mercado de digital influencers não apresenta sinais de que vai parar de crescer tão cedo. Afinal, cada vez mais pessoas estão se destacando nesse meio, enquanto os que já estão atuando há algum tempo vem se reinventando para continuar no jogo.

Leia também  Famosos comemoram indicação de Viih Tube para o Paredão

Os resultados desse mercado representam outro indicativo de que os influenciadores estarão entre nós por um bom tempo. Dados de um belo infográfico da Betway indicam que 71% das pessoas seguem pelo menos um influenciador, e 73% já efetuaram uma compra por conta da opinião desses profissionais.

O advento da rede social do momento, o TikTok mostra que ainda vamos ver surgir muitas outras tendências dentro do mercado de influenciadores digitais. Portanto, goste você ou não, essa tendência ainda está longe de acabar.

Comentários