Aras informou ao ministro do STF Edson Fachin que apura se Pazuello cometeu falsidade ideológica e fraude processual

Por Estadão Conteúdo

Publicado em: 05/03/2021 às 12h57 2021-03-05 2021-03-05 access_timeTempo de leitura:

Eduardo Pazuello, Ministro da Saúde (Tony Winston/MS/Divulgação)

O procurador-geral da República Augusto Aras informou ao ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, que apura se o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, cometeu falsidade ideológica e fraude processual quando encaminhou o plano nacional de vacinação contra a covid-19 à corte máxima em dezembro. Os supostos crimes estariam relacionados à nota em que um grupo de 36 especialistas listados no documento alegou não ter lido e nem dado ‘anuência’ ao plano.

A informação foi encaminhada a Fachin na noite desta quinta, 4, no âmbito de uma notícia-crime apresentada ao STF pela deputada federal Natália Bonavides. A parlamentar alegou que Pazuello prestou ‘informações inverídicas’ à corte.

Aras disse a Fachin que já tramita na procuradoria-geral da República uma notícia de fato destinada à ‘averiguação preliminar’ do caso e pediu o arquivamento da petição de Bonavides. “Eventual surgimento de indícios razoáveis de prática criminosa pela autoridade noticiada ensejará, pois, a adoção das providências necessárias à persecução penal”, registrou o PGR.

O plano de imunização que está relacionado à apuração aberta por Aras foi entregue ao Supremo no dia 11 de dezembro, às vésperas do julgamento que iria discutir a obrigatoriedade da vacina e a apresentação, por parte do Palácio do Planalto, de um plano contra a doença.

Horas depois, 36 especialistas do grupo técnico do eixo epidemiológico do comitê que assessorou o Ministério da Saúde na elaboração do plano divulgaram nota afirmando não terem sido consultados sobre a versão final do texto. “Nos causou surpresa e estranheza que o documento no qual constam os nomes dos pesquisadores deste grupo técnico não nos foi apresentado anteriormente e não obteve nossa anuência”, registraram.

Após o pronunciamento dos pesquisadores, o ministério da Saúde rebateu as críticas alegando que os profissionais indicados pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI) atuaram como “convidados especiais” nos debates sobre o plano de vacinação contra a covid-19. Segundo a pasta, o papel dos especialistas era de “cunho opinativo e sem qualquer poder de decisão” sobre o plano apresentado ontem.

Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?

Leia também  Covid-19: estudo aponta eficácia de duas vacinas contra variante de Manaus

exame digital

R$ 1,90

Nos três primeiros meses, após este período: R$ 15,90 Acesse onde e quando quiser. Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças. Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

Acesse onde e quando quiser Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças. Edição impressa mensal. Frete grátis Assine

4089648

close

🤞 Não perca nada!

Assine nossa newsletter e receba novidades e ofertas exclusivas!

Comentários

Você não precisa sofrer pra fazer dieta.

Conheça o Desafio 19 dias!