Esse é o primeiro longa-metragem da trilogia Trois couleurs, roteirizado e dirigido pelo premiado diretor polonês, Krzysztof Kieślowski (1941-1996), reconhecido por sua filmografia vigorosa na qual se destacam, além de A igualdade é branca (1994) e A fraternidade é vermelha (1994), os títulos:  A dupla vida de Verónique (1990) e O decálogo (1988), entre outros.

Em uma perspectiva alegórica, o roteiro recontextualiza as cores e os ideais da Revolução Francesa, em uma produção francesa, polonesa e suíça. Interpretada vigorosamente pela atriz Juliette Binoche, no papel de Julie, a esposa de um renomado maestro e compositor francês que morre em um desastre automobilístico com a filha do casal, de cinco anos de idade. Como única sobrevivente da tragédia, vê-se na situação de ter que lidar com essas perdas e seguir vivendo, tanto na introspecção inicial como na negação à vida. Uma discussão sobre o luto patológico e a força exigida frente à descoberta da liberdade em uma piscina azul, metáfora oceânica do recomeço.

O Fórum de Psicanálise e Cinema foi criado em 1997 como uma atividade de extensão científica da Associação Psicanalítica Rio 3, pelo então presidente, Waldemar Zusman, e pelo diretor Neilton Dias da Silva. Em 2004, passou a contar com a participação da museóloga e professora da UNIRIO Ana Lúcia de Castro, responsável pela análise cultural dos filmes.

Dois anos depois, a APRIO 3 celebrou parceria com a UNIRIO para, mensalmente, sediar o Fórum de Psicanálise e Cinema. Em agosto de 2011, a APRIO 3 fundiu-se com a Sociedade Psicanalítica do Rio de Janeiro (SPRJ), sendo mantida a parceria para sediar o evento.