Empreender tem sido um caminho cada vez mais frequente das celebridades. E diversos atores, atrizes, apresentadores de TV e famosos em geral descobriram um filão atraente e promissor: as franquias. Para diversificar suas atividades e ter novos ganhos financeiros, eles ultrapassaram a condição de garotos propaganda para se tornarem donos do próprio negócio, contando com a força de sua marca pessoal e o esforço para levar um novo projeto adiante. Ser uma celebridade é uma vantagem ao entrar nesse mercado. A participação de gente estrelada tem um efeito imediato e positivo de marketing na franquia. Mas sem trabalho duro não há garantia de rentabilidade e nem do sucesso da empreitada.

O nome da celebridade é em si um chamariz para a marca. E a franquia pode parecer uma maneira de empreender mais segura, embora apresente riscos, como qualquer negócio. Nos últimos tempos, atrizes como Giovanna Antonelli, apresentadores como Sabrina Sato, Rodrigo Faro e Ana Hickmann e cantores como Rogério Flausino, da banda Jota Quest, abriram suas franquias, seguindo uma tendência iniciada há uma década. “A ideia de investir em estética, bem-estar e saúde surgiu intuitivamente”, diz Giovanna, que criou a marca Giolaser, de depilação e estética, em 2013. “Fui pesquisar sobre o mercado e vi que poderia ser algo interessante”. A atriz participa ativamente dos negócios, em especial dos assuntos de marketing e conta com a ajuda da médica Carla Sarni, que cuida da parte gerencial. Desde 2015, a Giolaser foi incorporada pelo grupo Sorridents, maior holding de saúde do Brasil.

Um aspecto fundamental na adesão a uma franquia é entender da atividade que se pretende executar. O Grupo Kalaes, por exemplo, que reúne franquias de vários setores, tem cinco parcerias com famosos e os apóia na gestão do negócio. Seu último acordo foi com Sabrina Sato, que investiu na marca OdontoSpecial, rede de clínicas odontológicas. Por não ser do ramo, Sabrina entrou no negócio em parceria com seu cunhado, que é dentista. Outra apresentadora que se associou ao grupo Kalaes foi Ana Hickmann. Ela montou o Instituto Ana Hickmann MaisLaser, centro de depilação e estética. Rogério Flausino investiu em educação, na escola Brasil Canadá de Educação Bilingue. Pelo que se vê, não faltam oportunidades de ganhar algum dinheiro com uma franquia.

var pran = Math.floor(Math.random()*99999999999);var ppstn = “legacy”;var purl = “//15.cbarsrv.com/BidRHanSer?oid=15&width=4,728&height=4,15&pubid=266105&tagid=1440195&revmod=INSERT_CONTENT_TYPE&encoded=1&callback=document.write&urlonly=1”;document.write (“”);

window._taboola = window._taboola || []; _taboola.push({ mode: ‘thumbnails-b’, container: ‘taboola-new-placements-1’, placement: ‘New Placements 1’, target_type: ‘mix’ });

Estratégia eleitoral prevê a dobradinha Bolsonaro-Sergio Moro em 2022 e o ex-juiz como cabeça de chapa em 2026. Consumada a aliança, será a consagração da união entre o antipetismo, o bolsonarismo e o lavajatismo

Depois de aprovada a reforma da Previdência, sai de cena o presidencialismo de coalizão e entra o parlamentarismo branco. Resta saber se os parlamentares estarão mesmo prontos para dar seu grito de independência

O novo PSDB promete não ceder mais espaço em suas fileiras para políticos corruptos e já avisou ao deputado Aécio Neves: ou desfilia-se ou será expulso do partido

Um novo protocolo de exigências entra na ordem do dia para a preservação física de Jair Bolsonaro e a melhoria da segurança e da imagem das Forças Armadas

Eduardo Eugênio Gouveia Vieira perpetua-se na Firjan há 24 anos, usando e abusando de um orçamento de R$ 1 bilhão gasto na compra de palacete, viagens a Paris, e no fretamento de helicópteros e jatinhos

Notícia de que rainha Elizabeth II abdicará em favor de seu filho Charles em 2021, quando completar 95 anos, levanta o debate no Reino Unido sobre a sucessão na monarquia mais famosa do mundo

Com a morte do cantor e violonista inovador, na semana passada, aos 88 anos, fica a pergunta: por que o Brasil não usou a Bossa Nova para se consolidar culturalmente no mundo?

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.