Assim que Britney apareceu em “A dona do pedaço”, uma das curiosidades era saber se ela fez a operação de redesignação de gênero. Nas últimas cenas, o público já percebeu que a moça ainda não passou por essa etapa de sua transição, já que não consegue contar a Abel (Pedro Carvalho) a verdade sobre sua identidade de gênero. Intérprete da amada do português, Glamour Garcia, que também não fez ainda a cirurgia, vive um momento oporto a de sua personagem.

– Sempre quis operar, mas hoje em dia, não me paralisa mais como acontecia no passado. Às vezes, eu me sentia paralisada na minha intimidade por não ser operada. Eu me sentia muito fraca, frágil e incapaz, além de frustrada. Pensava: ‘poxa, quando vou ter dinheiro, tempo para fazer a cirurgia’… Mas hoje o meu amor próprio é que me dá o norte para decidir – diz a artista.

– Nos últimos 10 anos, desde que me torneu independente, precisei trabalhar para me manter. Tenho muito orgulho disso, poder desenvolver minha vida, ajudar e fazer o que eu quiser. Não no sentido egoísta, mas no sentido construtivo. E há um tempo de pós-operatório que é necessário para a recuperação da própria vida. Não vou fazer cirurgia para ter complicações depois. No passado, era muito difícil, a cirurgias não eram tão aperfeiçoadas. Levou-se um tempo social e de estudo da medicina para estar onde estamos – afirma a atriz.

A intérprete de Britney informa ainda que “o Brasil é um dos países que tem mais tecnologia de ponta para fazer essa cirurgia (de redesignação de gênero)”:

– Mas a gente sabe que o entendimento do pós- operatório é necessário. A pessoa fica três meses pelo menos deitada na cama mesmo, fazendo xixi no penico. E precisa-se de seis meses para poder estar com saúde suficiente para voltar a trabalhar. Então, é uma questão pessoal de decidir ou não fazer.