Terceiro filme da franquia, Hotel Transilvânia 3: Férias Monstruosas é a maior estreia desta quinta-feira. Dirigido por Genndy Tartakovsky e sendo apresentado em 1,15 mil salas, a animação traz um solitário e infeliz Conde Drácula em busca de um novo amor. Ao ganhar férias em um cruzeiro de presente da filha, ele acaba se apaixonando pela comandante, que esconde um segredo nada amigável. Adam Sandler, Selena Gomez, Kathryn Hahn e Kevin James usam suas vozes para dar vida aos personagens.

“Hannah, de Andrea Pallaoro, vai fundo no cinema observacional colocando o público no papel de “espião” da rotina da personagem-título (Charlotte Rampling, premiada no Festival de Veneza), mulher na terceira idade que vive com o marido e um cachorro, extravasa em aulas de teatro, trabalha como empregada doméstica e ocasionalmente nada na piscina do clube […] Não são segredos, mas os não ditos que dão a Hannah enorme carga dramática e o colocam em posição de destaque entre os títulos lançados no Brasil até então e no dito cinema de personagem”. Leia a crítica completa e a opinião da imprensa.

“‘Que pena!”, exclama um homem idoso diante da bela paisagem marítima do sul da França. Instantaneamente, ele é vítima de um colapso, motivando a chegada de seus três filhos adultos para cuidar do senhor convalescente. […] Sobre um balcão excepcionalmente bem construído (uma obra-prima arquitetônica, aprendemos), os irmãos Armand (Gérard Meylan), Joseph (Jean-Pierre Darroussin) e Angèle (Ariane Ascaride) discorrem sobre o passado, sobre ficar ou não na pequena cidade, sobre lutar para sustentar os sonhos ou aceitar a realidade cruel das sociedades contemporâneas”. Leia a crítica completa e a opinião da imprensa.

“Arranha-Céu: Coragem Sem Limite chega aos cinemas no mesmo dia em que se completa 30 anos da primeira exibição de Duro de Matar. A data, é claro, é uma coincidência, mas não deixa de ser simbólica. O mais novo filme estrelado por Dwayne Johnson é uma mistura de Duro de Matar com Inferno na Torre. O problema é que não atinge o nível de qualidade de nenhum dos filmes citados. […] Uma obra que pode até entreter por quase duas horas, mas que acabará esquecida depois”. Leia a crítica completa e a opinião da imprensa.