A fatura – para os próximos quatro anos – dos resultados das eleições legislativas deverá ser de cerca de 64 milhões de euros, avança o “Jornal de Notícias” esta sexta-feira. Isto porque, para financiamento da campanha, as candidaturas têm direito a um total de oito milhões de euros; já os restantes 56 milhões de euros referem-se a subvenções para financiamento da atividade partidária e para apoio a cada um dos deputados eleitos.

Segundo o “JN”, no que diz respeito à campanha das legislativas, o Parlamento deverá poupar quase um milhão de euros. Havia sido preparado um “bolo” de 8,7 milhões para distribuir pelos partidos que conseguissem um mínimo de 50 mil votos ou um eleito. Todavia, as nove candidaturas (que conseguiram eleger), apenas orçamentaram um total de 7,6 milhões.

Além do apoio de campanha, as nove candidaturas bem-sucedidas terão agora direito a uma verba anual para financiar a atividade parlamentar – 55,9 milhões de euros para os próximos quatro anos. E mais: cada um dos 230 deputados irá receber 1765 euros por ano.

O PS, vencedor das eleições, arrecadará 25,2 milhões de euros, enquanto o PSD acumulará perto de 20 milhões. O CDS-PP, que viu o seu grupo parlamentar emagrecer significativamente, apenas receberá três milhões. A CDU, por sua vez, terá direito a 4,5 milhões de euros.

O Bloco de Esquerda, que manteve o mesmo número de deputados, receberá 6,7 milhões; já o PAN acumulará 2,3 milhões. O Chega, o Iniciativa Liberal e o Livre irão receber 479 mil euros, 475 e 433, respetivamente.