O drama gospel “Mais que vencedores” e a animação russa “Reino gelado – a terra dos espelhos” são as únicas novidades que chegam nesta quinta-feira (21) às salas de cinema de Sorocaba.

Elas somam-se ao terror de baixo orçamento “Medo profundo: o segundo ataque”, ambientado em Recife (PE), e o bem recomendado épico de guerra “Midway – batalha em alto mar”, que tiveram sessões de pré-estreia na cidade na quarta (20).

Dos mesmos produtores de títulos religiosos como “Quarto de guerra”, “Corajosos” e “À prova de fogo”, “Mais que vencedores” traz à telona uma história de superação dirigida e protagonizada por Alex Kendrick, que também assina a direção e roteiro com seu irmão Stephen Kendrick.

O longa acompanha a história de John Harrison (Kendrick), treinador de time de basquete de uma escola do ensino médio que se vê obrigado a treinar outra modalidade, quando a maior fábrica da cidade é fechada, fazendo com que centenas de famílias precisem se mudar.

Tudo promete ser diferente depois que ele conhece a jovem Hannah (Aryn Wrigh-Thompson), a única atleta que surge para os treinos de corrida cross country, disposta a tentar superar seus próprios limites.

Não é spoiler revelar que após tanto relutar, o treinador cede e aceita o desafio de treinar Hannah enquanto os limites da jovem, que inclusive sofre de asma, são superados pelo poder da fé. Nos minutos finais há uma emocionante competição da modalidade.

Será que ela vence? Apesar da forte tendência de bom desempenho nas bilheterias, vinda de um público específico — tem sido comum grupos de algumas denominações evangélicas do Brasil reservarem salas de cinema para sessões especiais dos filmes de Kendrick –, a imprensa especializada não economiza nas críticas e ressalvas ao longa.

“Não há como escapar das curvas melodramáticas do filme, liderada por Kendrick como um cara que ri e chora (e chora e chora) com seriedade robótica. Atado a tons de salvador branco, esse drama esportivo vagamente não se preocupa em investigar, não oferece nada em termos de nuances e, além disso, não dá nenhuma trégua de sua propagandização religiosa”, escreve Nick Schager, da revista Variety.

Para a criançada, a opção é “Reino gelado – a terra do espelhos”, quarta animação da franquia, inaugurada em 2014 e, mais uma vez, dublada por Larissa Manoela (Gerda) e João Côrtes (Orm).

A sequência se passa depois que o rei quase perdeu sua família devido às ações malignas da Rainha da Neve. Para evitar novos transtornos, ele decide banir todas as criaturas com poderes mágicos enviando-as à “Terra dos espelhos”, sob o pretexto de falso convite para um jantar em seu castelo.

A animação, com estética mais onírica do que a dos grandes estúdios de Holywood, promete agradar toda a família. “Apesar de suas fragilidades conceituais, ‘O reino gelado: a terra dos espelhos’ dosa bem a aventura, com planos e movimentações bonitos pela cidade de contornos singulares, e a busca pessoal de Gerda”, escreve Marcelo Müller, do site Papo de Cinema. (Da Redação)

Facebook Comments