O Museu da Abolição, em conjunto com a Rede Afro Empreendedores de Pernambuco (RAEPE), realizam a primeira edição da Mostra Estética Afrofuturista. O evento será realizado neste sábado (18). A programação da mostra conta com oficinas, artes visuais, literatura, música, dança, moda e artesanato. O evento inicia às 9h30, e a abertura conta com a feira afro empreendedores do Recife, que trás artigos como bijuterias, roupas e adereços, além de comidas africanas, como vatapá, feijoada e mungunzá.

Para os amantes da moda, o Balé Magê Malê trará um desfile de roupas e penteados africanos. No primeiro andar acontece a oficina Tendências afro futuristas na moda atual, que conta com a presença da designer e pesquisadora Oluyiá França. Já na área externa do museu, o facilitador Túlio Xambá, será o responsável pela programação musical que promete animação para todas as idades. O grupo Ori, o Afoxé Omi Saba e o Slam das Minas também fazem parte da programação.

A artista visual Bia Ritz (PE), o DJ Yuri Andrey, e a articuladora e curadoria independente Ariana Nuala, são os convidados de uma roda de diálogo coordenada pela professora Dra. Auxiliadora Maria Martins (CE/UFPE), o debate será sobre o Afrofuturismo e sua interseção na imaginação, tecnologia, futuro e libertação.

Outro destaque da mostra é o curso de Whatsapp como ferramenta de venda, ministrado por um especialista e facilitado pelo SEBRAE-PE, para participar é só se inscrever na entrada do auditório do museu. O historiador e especialista em cultura negra Junior Afro fala sobre a importância do evento. “É um meio de imaginar possíveis futuros pelas lentes da cultura negra. Pela literatura, artes visuais, música e mais, o Afrofuturismo redefine a cultura e as noções de negritude para hoje e para o futuro”.

Coordenadora: Professora Dra. Auxiliadora Maria Martins da Silva (CE/UFPE) Artista Visual Bia Ritz (PE), DJ Yuri Andrey e a articuladora e curadoria independente, Ariana Nuala;

16h30 Juventude Negra e Afrofuturismo Com Jaqueline Soares, Artista Visual Anti Ribeiro, Nena La Callejera e Jovens representantes da Rede de Mulheres Negras, MNU e UFPE.