Teoria musical e leitura de partitura, entre tantos outros ensinamentos. Tudo com instrumentos de percussão, da família dos metais, como trompete, trombone, tuba, trompa e eufônio, e também das madeiras, casos de saxofone, clarinete e flauta. O aprendizado acontece em Rio Grande da Serra, a partir da necessidade da Prefeitura de retomar a banda municipal na cidade.

Para isso, músicos da Nomade Orquestra, da Samuca e a Selva, além de outras bandas, foram convidados para tomar conta do Projeto Primeiros Acordes, voltado a jovens de 14 a 21 anos, e ministrar aulas gratuitas de instrumentos. Além de formar a banda, a sugestão é dar impulso inicial na carreira de jovens músicos e mostrar que eles precisam continuar estudando para se tornarem grandes instrumentistas.

As aulas, realizadas na Emeb Profª Raquel Silveira Monteiro (Rua José Maria Figueiredo, 435), começaram no fim de 2018, mas ainda há vagas disponíveis. Segundo Victor Fão, da Nomade Orquestra e curador artístico do projeto, a iniciativa é muito importante “pois leva música a uma região carente de arte do Estado. E assim, em um futuro próximo, eles também podem se tornar músicos e musicistas e, talvez, até professores de música, dando continuidade ao projeto”, explica.

Para o prefeito Gabriel Maranhão (sem partido), “é certo que melhor caminho de termos bons cidadãos é por meio da cultura e do esporte”, diz. Ele explica que a iniciativa privada fez aporte financeiro do Primeiros Acordes, aprovado pelo Proac, e a Prefeitura foi quem disponibilizou o espaço onde são dadas as aulas.

Qualquer pessoa pode participar do projeto. O pré-requisito é ter vontade de aprender e dedicação para os estudos. “Estamos dando aula para pessoas que nunca tiveram contato nenhum com a música e para aqueles que já tocam alguma coisa”, diz Fão. Ele explica que alguns alunos querem ter contato com outro instrumento e há quem queira aprimorar o que já toca.

Os participantes, além do ensinamento teórico, podem ter a chance de compartilhar das experiências de estrada dos professores. “Passamos um pouco dos nossos conhecimentos adquiridos ao longo dos anos de trajetória, esperamos, assim, que muitos dos alunos sigam a carreira musical, ou toquem o seu instrumento até bem velhinhos”, brinca o curador.

Quem quiser participar deve se inscrever às segundas e quartas-feiras, a partir das 18h45, no local das aulas. Vale para quem é da cidade e municípios vizinhos. As oficinas vão até agosto e a ideia é que o projeto perpetue. “Nosso objetivo é que ele forme sempre novos alunos e estes virem professores e formem mais alunos, fazendo a iniciativa criar força musical na região”, encerra o artista. 

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Teoria musical e leitura de partitura, entre tantos outros ensinamentos. Tudo com instrumentos de percussão, da família dos metais, como trompete, trombone, tuba, trompa e eufônio, e também das madeiras, casos de saxofone, clarinete e flauta. O aprendizado acontece em Rio Grande da Serra, a partir da necessidade da Prefeitura de retomar a banda municipal na cidade.

Para isso, músicos da Nomade Orquestra, da Samuca e a Selva, além de outras bandas, foram convidados para tomar conta do Projeto Primeiros Acordes, voltado a jovens de 14 a 21 anos, e ministrar aulas gratuitas de instrumentos. Além de formar a banda, a sugestão é dar impulso inicial na carreira de jovens músicos e mostrar que eles precisam continuar estudando para se tornarem grandes instrumentistas.

As aulas, realizadas na Emeb Profª Raquel Silveira Monteiro (Rua José Maria Figueiredo, 435), começaram no fim de 2018, mas ainda há vagas disponíveis. Segundo Victor Fão, da Nomade Orquestra e curador artístico do projeto, a iniciativa é muito importante “pois leva música a uma região carente de arte do Estado. E assim, em um futuro próximo, eles também podem se tornar músicos e musicistas e, talvez, até professores de música, dando continuidade ao projeto”, explica.

Para o prefeito Gabriel Maranhão (sem partido), “é certo que melhor caminho de termos bons cidadãos é por meio da cultura e do esporte”, diz. Ele explica que a iniciativa privada fez aporte financeiro do Primeiros Acordes, aprovado pelo Proac, e a Prefeitura foi quem disponibilizou o espaço onde são dadas as aulas.

Qualquer pessoa pode participar do projeto. O pré-requisito é ter vontade de aprender e dedicação para os estudos. “Estamos dando aula para pessoas que nunca tiveram contato nenhum com a música e para aqueles que já tocam alguma coisa”, diz Fão. Ele explica que alguns alunos querem ter contato com outro instrumento e há quem queira aprimorar o que já toca.

Os participantes, além do ensinamento teórico, podem ter a chance de compartilhar das experiências de estrada dos professores. “Passamos um pouco dos nossos conhecimentos adquiridos ao longo dos anos de trajetória, esperamos, assim, que muitos dos alunos sigam a carreira musical, ou toquem o seu instrumento até bem velhinhos”, brinca o curador.

Quem quiser participar deve se inscrever às segundas e quartas-feiras, a partir das 18h45, no local das aulas. Vale para quem é da cidade e municípios vizinhos. As oficinas vão até agosto e a ideia é que o projeto perpetue. “Nosso objetivo é que ele forme sempre novos alunos e estes virem professores e formem mais alunos, fazendo a iniciativa criar força musical na região”, encerra o artista.