Você abriria uma videolocadora hoje? A pergunta parece absurda em um mundo audiovisual dominado por Netflix, YouTube e afins! Mas ainda restam alguns estabelecimentos assim em São Paulo e outras grandes cidades. E eles estão firmes! Seu “segredo”: encontraram um público que não é atendido pelas plataformas digitais e cuidam bem deles.

Atender genuinamente as necessidades de clientes é uma dessas obviedades desprezadas por gestores, que se preocupam só com os próprios interesses. Mas quem se dispõe a fazer isso, sair de sua zona de conforto e usar a tecnologia criativamente pode destruir e, na sequência, recriar segmentos totalmente consolidados, tornando-os mais adaptados a novas realidades. Por outro lado, quem se fecha na sua visão única de negócios corre o risco de ser chutado para fora do mercado.

Vejam o caso da indústria fonográfica, aquela que rumava para uma extinção melancólica, desde que a venda de CDs morreu. No ano passado, a venda de música nos Estados Unidos cresceu 13%, chegando a US$ 11,1 bilhões, o maior valor desde 2006!

Para efeitos de comparação, o mercado americano de música teve seu pico em 1999, época em que todo mundo comprava CDs. Naquele ano, eles representaram quase 90% das receitas da indústria fonográfica dos EUA, que foram de US$ 14,6 bilhões.

Depois disso, mudanças tecnológicas e principalmente de padrão de consumo das pessoas fizeram que esses números descessem ladeira abaixo! O pior ano foi 2014, quando os CDs piratas e o download ilegal de música fizeram a receita encolher para “apenas” US$ 6,7 bilhões.

Ou seja, as receitas de uma indústria absolutamente consolidada e presente na vida de todas as pessoas desabaram para menos da metade do que eram em apenas 15 anos!

Quem está levando adiante a indústria fonográfica hoje são as plataformas de streaming, como Spotify e Apple Music. E são essas plataformas que ficam com o grosso desses US$ 11 bilhões. Os artistas ganham valores irrisórios!

Mas isso não é algo necessariamente ruim, nem para eles. Claro, não dá mais para ficar rico com a venda da música, mas ainda dá para ganhar muito dinheiro com ela, só que de outra maneira: shows.

Os artistas tiveram que se adaptar a uma nova realidade, que é a de seu público. As pessoas não compram mais música, mas ouvem música como nunca, nas plataformas de streaming. Estar nessas redes, portanto, se tornou essencial para ficar conhecido, ser lembrado, emplacar ou manter hits. É assim que se conquistam fãs hoje. Depois essas pessoas pagam R$ 500 pelo ingresso de um show, valor de uns 20 CDs!

E, por falar em streaming, existe um outro tipo de streaming que está explodindo: o de vídeo, que tem no YouTube e na Netflix suas maiores estrelas. O que me remete à pergunta do começo desse artigo: há ainda espaço para as videolocadoras?

Nos anos 1980, das videolocadoras chegaram a ameaçar as salas de cinema, com o aluguel barato de filmes em fitas VHS e depois DVDs. Bem, as salas de cinemas se reinventaram para seu público, e estão aí cheias! Enquanto isso, as videolocadoras morreram, pela concorrência dos DVDs piratas e do streaming. Ou seja, um segmento que floresceu atendendo uma demanda do público morreu por não se adaptar ao seu movimento.

Mas –acredite se quiser– ainda existem umas poucas videolocadoras nas grandes cidades, e elas estão firmes! Elas se tornaram um lugar em que se vai para encontrar raridades, ou simplesmente títulos que não estão em nenhuma plataforma digital, e há muita coisa que não está nessas plataformas.

Diferentemente do que muitos pensam, quem progride na natureza –e no mundo dos negócios também– não é o mais forte: é o mais adaptado! Essa é a essência da Teoria da Evolução das Espécies, elaborada no século XIX pelo naturalista britânico Charles Darwin. O conceito serve, portanto, para os seres vivos, mas também para as empresas.

Diante disso, pare de pensar só no que é bom para você e comece a pensar no que é bom para seu público! Observe as mudanças do mercado, para onde está indo, as tendências, e saia de sua zona de conforto: ela é uma armadilha que cega você!

A IT Forum 365 usa cookies para personalizar conteúdo e anúncios, para melhorar sua experiência em nosso site. Ao continuar, você aceitará o uso. Para mais detalhes veja nossa Política de Privacidade.

Comentários