O modo de se consumir música mudou drasticamente nos últimos anos. Desde a época dos downloads, a mídia física anda perdendo espaço. Isso ficou ainda mais evidente na atual era do streaming. Consequentemente, o consumo de álbuns também sofreu mudanças ao longo dos anos.

Se antes você comprava um disco para ouvi-lo na íntegra, hoje você pode adicionar à sua fila de reprodução a sua faixa favorita de tal álbum e, logo depois, mudar o artista ou o gênero. Aliás, em meio a milhões de opções de músicas para os mais diversos interesses, para que ouvir um álbum completo?

A Deezer fez recentemente uma pesquisa com 8.000 pessoas, distribuídas entre Brasil, Estados Unidos, França e Alemanha. O objetivo foi levantar esclarecimentos para questões envolvendo o consumo musical. A pesquisa chegou a algumas conclusões bem interessantes. Dentre elas, vale destacar que os brasileiros são os que mais ouvem álbuns completos no mundo inteiro!

O levantamento da Deezer aponta que quatro a cada dez pessoas buscam consumir álbuns quando precisam de distração. Outras conclusões alcançadas pela pesquisa mostram que, ao ouvir pela primeira vez um álbum completo, sentem-se felizes (48%), animados (46%) e inspirados (24%).

As principais razões para a redução no consumo dizem respeito a estar ocupado(a) e que os artistas não produzem álbuns como costumavam fazer. Será que o formato já é algo ultrapassado para a indústria?

Como já falado anteriormente, a grande oferta de canções à qual estamos submetido influencia bastante no consumo de música atualmente. Aliás, quase 40% dos entrevistados preferem playlists do que discos.

Por mais incrível que pareça, os millennials (1880 – 1995) são os que mais buscam por álbuns e têm duas vezes mais chances de ouvir um disco inteiro do que os baby boomers (1945 – 1960).

Apesar de os dois formatos ajudarem a fomentar a indústria, o vice-presidente de conteúdo e produção da Deezer, Frederic Antelme, acredita no poder conceitual de um disco inteiro. De acordo com ele:

A quantidade de música boa lançada atualmente é enorme e o tempo que temos disponível está cada vez menor, então não é surpresa que mais fãs de música optem por playlists. Mas os ouvintes não deveriam abandonar os álbuns. Eles representam a visão do artista, contam uma história e te levam a uma jornada musical.

Mas isso significa que o disco está morrendo? Certamente não. Mas é preciso entender as necessidades que os consumidores desenvolveram nos dias atuais. Não à toa, 94% consideram que a alta qualidade de áudio é importante para a audição de álbuns completos. “Álbuns realmente oferecem uma experiência musical mais profunda. É por isso que as pessoas prestam muito mais atenção à qualidade do som ao ouvi-los”, completa Antelme.

A pesquisa também levou em consideração a experiência do ouvinte com seus gêneros musicais favoritos. Quando se trata de ouvir um álbum inteiro, pop e rock se destacam no geral.

Gêneros locais também possuem muita força. O sertanejo corresponde ao gênero favorito de 44% dos entrevistados brasileiros, enquanto na França o Variété Français qualifica o gosto predileto de 43% dos entrevistados locais. Na Alemanha, o destaque vai para o Schlager (24%).

Confira abaixo os 10 álbuns mais tocados no Brasil em 2019, de acordo com a Deezer, tal como alguns gráficos baseados nas respostas dos colaboradores da pesquisa. Note no poder que os discos ao vivo possuem aqui!

Top 10 álbuns mais tocados no Brasil em 2019:
1. Todos os Cantos, Vol. 1 (Ao Vivo), de Marília Mendonça
2. O Embaixador (Ao Vivo), de Gusttavo Lima
3. Esquece o Mundo Lá Fora (Ao Vivo), de Zé Neto & Cristiano
4. Tem Moda Pra Tudo, de Matheus & Kauan
5. Prazer, eu sou Ferrugem, de Ferrugem
6. Terra sem Cep (Ao Vivo), de Jorge & Mateus
7. Menos é Mais, de Henrique & Juliano
8. Acústico de Novo, de Zé Neto & Cristiano
9. Terra do Nunca (Ao Vivo), de Dilsinho
10.  O Céu Explica Tudo (Ao Vivo), de Henrique & Juliano

Comentários