Grupo de jovens inova música, moda e produção audiovisual em Madureira

RIO — Se Madureira para você é sinônimo de Portela, Império Serrano, Jongo da Serrinha, Baile Charme e Mercadão, suas definições sobre o bairro do subúrbio precisam ser atualizadas. Lá, a tradição convive (muito bem, obrigada) com uma turma jovem e antenada que tem colocado mais lenha no caldeirão cultural de um dos bairros mais emblemáticos da Zona Norte. São artistas, produtores musicais e do audiovisual, gente da moda, influenciadores digitais e festeiros que hoje dão cara a uma “Madureira 3.0”. O músico Marcelo Dughettu, que acaba de se apresentar no Rock in Rio, fala com propriedade dessa nova geração do
rooftop
da Duto, misto de selo musical, estúdio e produtora de conteúdo com vista para o Viaduto Negrão de Lima.

— Madureira construiu nos últimos quatro anos um
hype
novo. O Parque Madureira e a Olimpíada deram visibilidade e abriram possibilidades, conectando uma galera de música, conteúdo e estética que passou a influenciar nas redes o resto da cidade— afirma o criador da Duto, que completa quatro anos este mês reunindo talentos da região (como os jovens da produtora de audiovisual Matilha) e lançando artistas da periferia, como a cantora Malía, que também subiu ao palco do Rock in Rio.

Dughettu compara o bairro, que serve de livre inspiração para a novela “Avenida Brasil”, reprisada pela TV Globo, ao Brooklyn, referência de estilo e novos conceitos em Nova York. As figuras que ligam dois lugares tão distantes têm histórias como a do fotógrafo André Damião, de 23 anos, formado em empreendedorismo pela Universidade Rural. Expoente da área de mídia, ele gerencia do escritório da Damião Space, de frente para o Parque Madureira, 60 influenciadores digitais do subúrbio. Juntos, eles têm mais de quatro milhões de seguidores.

Leia também  Sistema FIEP & SESI Cultura promovem música, teatro e apresentações de corais no Bairro Santa ...

— A moda, as cores e os ritmos que vêm da periferia tomaram uma proporção grande. Hoje, eu poderia levar o Damião Space para qualquer lugar do Rio e de São Paulo, mas acredito muito no subúrbio, no que vem de lá e na verdade de lá. Então, eu que levo as pessoas que gostam do meu trabalho até Madureira — afirma ele, que, por escolha de Ludmilla, lançou os artistas da nova produtora da funkeira.

Da cobertura da Duto, Vivi Cunha conta que, quando começou a trabalhar com moda, voltada para o mundo do rap, há dez anos, era chamada de “figurinista de favelado e de bandido”. Madureira é o epicentro dos rappers.

— Lá atrás, era muito difícil. Os rappers iam se apresentar de chinelo, bermuda e camiseta. As marcas não tinham interesse neles. Com o tempo e o boom do movimento, houve uma mudança no consumo. A estética urbana parou no mercado de luxo. Antes, éramos cafonas, hoje somos referência — diz Vivi.

Ela é a stylist por trás da camisa de crochê com 80 buracos usada por Dughettu no Espaço Favela do Rock in Rio. A peça faz referência aos tiros disparados por militares do Exército que atingiram o carro e mataram o músico Evaldo dos Santos Rosa, em abril.

Madureira engajada também é de festa a cada esquina e passarela fashion. Por isso, o estilista Luís Paixão, de Caxias, abriu por lá a primeira loja da sua marca, a Kryolo Carioca, num dos mercadões do bairro, de cara para o parque. Professor de língua portuguesa e literatura do Senac, Paixão, que tem 30 anos, desenha roupas que não se vê por aí: as peças, sem direcionamento de gênero, são sob medida para um pessoal moderninho. E ainda bebem na fonte da cultura afro.

Leia também  Anitta surge cantando música de Pabllo Vittar no Instagram

— É o bairro da cidade com a maior concentração de negros empoderados, o meu público — resume ele, que veste atualmente o balé da cantora Iza e se prepara para trocar a Baixada pelo bairro da Zona Norte.

Lá, é o destino da mulherada que quer tranças perfeitas à la Iza. O salão da Esponja Magic — nome do produto-fenômeno usado para modelar a cabeleira black — atrai meninas de várias cidades da Região Metropolitana. O empresário Paulo Roberto Silva, que criou a esponja, hoje também forma tranceiros de todo o Rio:

— Madureira é o centro de tudo. Saiba mais Serra de Nova Friburgo no Rio já está reaberta ao trânsito em meia pista Marquise desaba dentro de supermercado em Madureira, deixando dois feridos Seis pessoas, incluindo um bebê, morrem em acidente na Dutra, em Resende, sentido Rio Polícia apreende armas que seriam usadas por milícia e tráfico em guerra por territórios

Os comentários são de responsabilidade excluisiva de seus autores e não
representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de
uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é
impróprio ou ilegal

© 1996 – 2019. Todos direitos reservados a Editora Globo S/A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.