Duas orquestras sinfônicas, duas orquestras de cordas, duas cameratas de cordas, seis bandas, duas bandas marciais, orquestra de jazz, grupos de câmaras, 13 polos de violinos, três polos de violas, três de violoncelo, quatro grupos de flautistas e clarinetistas, cinco de percussão, cinco grupos de metais, resultando em 72 polos de educação musical em todo o município. Um projeto que começou do zero e hoje toma grandes proporções, sendo reconhecido internacionalmente. Assim é o Projeto Música nas Escolas, que completa 15 anos. Motivo de orgulho do município.

Tudo nasceu da ideia do maestro Vantoil de Souza, a pedido do prefeito da época. Ele, já ministrava algo parecido na igreja no qual é pastor, e resolveu engrandecer o projeto. “Queria algo que fosse cíclico, e não apenas um grupo que pudesse ter fim em algum dia. Montei o projeto criado como um grande sistema educacional, todos os alunos da rede estão envolvidos, desde a pré-escola, ao mestrado. A Orquestra Sinfônica de Barra Mansa (OSBM) é o grande resultado desse processo”, destaca o maestro acrescentando que do projeto, resultou a parceria com o Centro Universitário de Barra Mansa (UBM), que abriu um curso de graduação em música e com a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com o mestrado na área.

A história do grupo passa pelos grandes palcos de todo o Brasil, além de acompanhar os mais conceituados nomes da música clássica nacional, internacional e grupos de ballet como o Bolshoi. Além disso, participou de três consertos na edição brasileira da Jornada Mundial da Juventude, ao lado do Papa Francisco, participaram por sete anos da abertura da árvore da lagoa, no Rio de Janeiro, seis anos como orquestra residente do Mimo, em Olinda, além de participar do Criança Esperança, da Rede Globo. São inúmeros alunos, oriundo do projeto, atuando em grupos musicais no Brasil.

“Atuamos ao lado de renomados nomes, muita gente acha impossível uma cidade do interior ter um projeto de sucesso como esse, além de excelente qualidade musical, uma Orquestra que vai do clássico ao popular com uma facilidade incrível. É um modelo estudado por muitas universidades, inclusive, um grupo de Miami estuda atualmente, além de ser um projeto adaptado para diversos municípios brasileiros”, descreve.

Nem em seus sonhos mais ousados, Vantoil, conseguiu imaginar que o projeto alcançasse tais proporções. “Sempre tive o sonho de oferecer formação musical, mas sempre com os pés no chão, nunca imaginaria que 15 anos depois haveria tanto sucesso. Hoje, posso dizer que fiz o meu papel, posso dizer que meu dever foi cumprido. Além da formação musical, causamos o efeito social, a grande maioria dos alunos mora em periferias, percebemos a redução da delinquência e envolvidos com atividades ilícitas, a evasão escolar diminuiu e os índices do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) melhoraram. Não consigo enxergar a educação de Barra Mansa sem o projeto”, detalha.

O idealizador do projeto destaca que ainda existe muito a se fazer: A construção da nova sede é uma delas. “Queremos a sede com uma sala de consertos, além da criação de um coro sinfônico. Nos planos ainda estão à gravação de CDs e DVDs, e o grande sonho que é a turnê internacional”, sonha.

Além de toda a formação musical, o Projeto Música nas Escolas, se prepara para iniciar a formação de gestores. “Estou há 15 anos a frente do projeto, um dia as ideias começarão a se repetir, e é preciso de novas pessoas a frente”, aponta.

No próximo dia 8 de novembro, o projeto recebe a visita de Músicos do Carnegie Hall, de Nova Iorque, e da Orquestra Sinfônica Brasileira. O evento acontece no Parque da Cidade, conta com a presença de mais de dois mil alunos inseridos no projeto, além de ser aberto ao público.

Comentários