Em uma entrevista publicada no Guitar World, Tony Iommi, guitarrista do Black Sabbath, discutiu sobre os altos e baixos da carreira do grupo e os discos lançados. 

Ao falar sobre Master of Reality, de 1971, terceiro disco do Black Sabbath, Tony conta que os integrantes “começaram a ficar mais experimentais e demoraram muito tempo para gravar [o disco]”.

“No final, acho que isso nos confundiu. Às vezes penso que eu gostaria de ter voltado à maneira como gravamos os dois primeiros álbuns [Black Sabbath e Paranoid]”, acrescenta. 

O guitarrista conta que ao tentarem gravar Into the Void em estúdios diferentes porque Bill [Ward, baterista] simplesmente não conseguia acertar e sempre que isso acontecia, ele acreditava que não era capaz de tocar a música. 

Ao discutirem sobre o Technical Ecstasy, de 1976, Iommi disse: “Os fãs do Black Sabbath não gostam muito dele [Technical Ecstasy]. Foi realmente uma situação sem vitória para nós”. 

“Se continuássemos fazendo o mesmo, as pessoas diriam que ainda estávamos fazendo coisas antigas. Então, tentamos ser um pouco mais técnicos, mas não deu muito certo”. 

“Gravamos o álbum em Miami, e ninguém se responsabilizou muito pela produção. Ninguém queria trazer uma pessoa de fora para ajudar, e ninguém queria que toda a banda a produzisse. Então eles deixaram tudo comigo!”

Comentários