OAB-CE pede esclarecimentos após cobrança nas áreas de embarque e desembarque no aeroporto de Fortaleza | Portal GCMAIS

OAB-CE pede esclarecimentos após cobrança nas áreas de embarque e desembarque no aeroporto de Fortaleza | Portal GCMAIS

A Ordem dos Advogados do Brasil – Secção Ceará (OAB-CE), através da Comissão de Defesa do Consumidor, entrou com requerimento na quarta-feira (20), junto à Fraport, administradora do Aeroporto Internacional de Fortaleza, para solicitar esclarecimentos sobre a instalação de cancelas, com o objetivo de promover cobranças pelo acesso de veículos, que permaneçam pelo período superior a 10 minutos, nas áreas de embarque e desembarque.

“Considerando que estão inovando na referida cobrança no estado do Ceará e por serem muito superiores a qualquer tipo de cobrança realizados, por empresas de estacionamento e zona azul, aguardamos pelos devidos esclarecimentos, por parte da Fraport Brasil”, declarou a presidente da Comissão de Defesa do Consumidor da OAB-CE, Claudia Santos.

“A Ordem alencarina demonstra, mais uma vez, a sua preocupação em questões que envolvam a sociedade cearense. Já encaminhamos o documento e vamos aguardar os esclarecimentos sobre a cobrança. Caso a Ordem entenda que a conduta da Fraport não esteja adequada, iremos tomar outras medidas, inclusive como o ajuizamento de uma ação civil pública”, ponderou o presidente da OAB-CE, Erinaldo Dantas.

O Departamento Municipal de Proteção e Defesa dos Direitos do Consumidor (Procon Fortaleza) notificou, nesta quarta-feira (20), a Fraport Brasil, empresa que administra o Aeroporto Internacional Pinto Martins, em Fortaleza. A concessionária tem dez dias para explicar a possível cobrança de R$ 20,00 nas áreas de embarque e desembarque, sob pena de ser multada em mais de R$ 15 milhões.

O Aeroporto possui estacionamento privado, mas o valor cobrado não é barato: 18 reais a cada hora em que o veículo fica parado. Mesmo assim, a instalação de cancelas já começou no local. Para a diretora do Procon Fortaleza, Eneylândia Rabelo, a empresa precisa observar os direitos previstos no Código de Defesa do Consumidor.

Confira a publicação original

Facebook Comments