O losango amarelo sobre fundo verde com uma a esfera azul celeste semeada por 27 estrelas e atravessada por uma faixa branca com a inscrição “Ordem e Progresso” é hoje bem conhecido dos brasileiros.

Em 1815, por exemplo, quando o país deixou de ser colônia de Portugal, adotou a bandeira do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarve. Seis anos depois, em 1821, já havia uma nova, que vigorou até 1822. O motivo? Fim da monarquia absoluta.

1. A atual bandeira é a 13ª da história do Brasil. Algumas duraram muitos anos, como a Bandeira do Principado do Brasil, vigente de 1645 a 1816. Por outro lado, a Bandeira Provisória da República só foi utilizada durante quatro dias, entre 15 a 19 de novembro de 1889.

2. Quem lembra do significado de cada elemento da Bandeira Nacional? O verde simboliza a pujança das florestas brasileiras, enquanto o amarelo representa as riquezas minerais e o azul faz referência ao céu do país. Cada estrela representa um Estado brasileiro, enquanto a inscrição “Ordem e Progresso” entrou por influência do positivismo, que estava na moda por estas bandas na época da criação do desenho.

3. A posição das estrelas corresponde ao céu do Rio de Janeiro no dia 15 de novembro de 1889, data da Proclamação da República. No entanto, alguns astrônomos dizem que os idealizadores do símbolo nacional tomaram algumas “liberdades poéticas” em sua execução. A constelação do Cruzeiro do Sul, por exemplo, é bem menor do que aparenta no desenho.

4. E por falar em estrelas, a atual versão da bandeira, com 27 delas, só passou a valer a partir do dia 11 de maio de 1992. Antes, a bandeira tinha 21 estrelas. Ela ganhou uma nova estrela em 1960, representando o Estado da Guanabara. Depois, em 1968, mais uma para marcar a criação do Estado do Acre. Em 1992, ganharam seus respectivos corpos celestes os Estados do Amapá, de Roraima, de Rondônia e do Tocantins. Além disso, a estrela do Estado da Guanabara (extinto) passou a simbolizar o Mato Grosso do Sul. De acordo com a Lei nº 8.421, a bandeira deverá ser atualizada novamente no caso de criação ou extinção de algum Estado.

5. Há uma série de formalidades que devem ser seguidas em solenidades oficiais com relação à Bandeira Nacional. Ela deve se hasteada em “lugar de honra” e ficar em posição central e destacada com relação às demais bandeiras. Já em tribunas, púlpitos e mesas, ela deve ser posicionada à direita. Há até mesmo uma forma correta de dobrar a bandeira e um horário indicado para hasteá-la ou arriá-la. As regras são mais flexíveis quando se está em missão diplomática, ocasião na qual segue-se o protocolo do país hospedeiro.

Com a proclamação da República em 15 de novembro de 1889 começaram a mudar algumas coisas do Brasil: a primeira foi a forma de governo, que passou a ser republicano federativo. As províncias passaram a ser Estados e foi convocada uma assembleia para elaborar a nova Constituição, isto é, a lei sobre a qual se baseia toda a vida de um país. Essa constituição foi votada em 1891 e substituiu a do Império, que datava de 1824.

Outra coisa que mudou bem depressa foi a bandeira e no dia 19 de novembro foi desenhada uma nova – que conservou, porém, as cores escolhidas em 1822 pelo imperador dom Pedro 1º, o verde e o amarelo (que eram as cores de sua família e de sua esposa).

A bandeira do Império era parecida com a atual: o retângulo verde tinha em seu centro o losango amarelo, mas em vez da esfera azul, dentro dele ficava o escudo do imperador com ramos de café e fumo.

E no dia 19 foi escolhida a bandeira oficial, a que temos até hoje: voltaram o retângulo e o losango verde-amarelo e as estrelas foram colocadas numa esfera azul, no centro do losango, divididas pela faixa branca em que se lê o dístico: “Ordem e Progresso”. 

Você já conhece as vantagens de ser assinante da Folha? Além de ter acesso a reportagens e colunas, você conta com newsletters exclusivas (conheça aqui). Também pode baixar nosso aplicativo gratuito na Apple Store ou na Google Play para receber alertas das principais notícias do dia. A sua assinatura nos ajuda a fazer um jornalismo independente e de qualidade. Obrigado!

Mais de 180 reportagens e análises publicadas a cada dia. Um time com mais de 120 colunistas. Um jornalismo profissional que fiscaliza o poder público, veicula notícias proveitosas e inspiradoras, faz contraponto à intolerância das redes sociais e traça uma linha clara entre verdade e mentira. Quanto custa ajudar a produzir esse conteúdo?

Copyright Folha de S.Paulo. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress.

Facebook Comments