nota de crédito (score), utilizada pelas empresas para avaliar a capacidade de pagar o empréstimo);índice de pontualidade de pagamento (quantidade de contas quitadas, vencidas, canceladas);índice de comportamento de gastos (principais gastos categorizados por tipo de crédito, como contas de cartão de crédito, empréstimos, financiamentos, contas de consumos e outros);quantidade de consultas que o CPF do consumidor tem, categorizada por segmento de empresas;histórico consolidado de compromissos assumidos (que inclui valores e datas de pagamento de faturas de cartão de crédito, crediário, financiamentos e empréstimos, por exemplo), desde que tenha havido consentimento do consumidor.

Nesta primeira etapa, entram no Cadastro Positivo 120 milhões de consumidores que têm crédito nos cinco principais bancos do país (Itaú, Bradesco, Santander, Banco do Brasil e Caixa) e em outras 100 empresas, segundo o SPC.

O consumidor que recebeu a notificação já pode consultar seu score de crédito e histórico de compromissos financeiros nos sites dos birôs de crédito autorizados pelo Banco Central (Boa Vista, Quod, Serasa e SPC). Para isso, é preciso fazer um cadastro com e-mail e senha, e aceitar um termo de compromisso.

Quem não quiser ter os dados no cadastro pode pedir a retirada gratuitamente a qualquer momento em qualquer um dos birôs de créditos – os demais serão comunicados automaticamente. Também é possível solicitar a reinclusão no sistema caso o consumidor se arrependa da decisão de deixar a lista.

Nos próximos meses, o banco de dados receberá também informações repassadas por empresas do varejo, telefonia e concessionárias de água e luz. Dessa forma, consumidores que não têm conta em banco também entrarão para o cadastro.

O Cadastro Positivo é um banco de dados que reúne informações de consumidores com um bom histórico de pagamentos, ou seja, aqueles que costumam quitar suas dívidas em dia e não estão inadimplentes. É uma espécie de "currículo financeiro" do bom pagador.

Ele já existia desde 2011 e entrou em vigor em 2013, mas tinha pouca adesão dos consumidores, que precisavam se inscrever voluntariamente. Mas uma lei sancionada no ano passado tornou automática a inclusão dos dados dos clientes pelos bancos e empresas – algo que já acontecia no cadastro negativo – ou seja, a lista de inadimplentes.

Cada consumidor que tem o nome incluído no cadastro recebe uma nota de crédito (score), calculada com base no seu histórico de pagamentos. Ela é usada para definir limites de empréstimos que ele poderá tomar, por exemplo. Quanto maior a nota, maiores também são as chances de conseguir empréstimos a juros mais baixos.

A ideia é identificar melhor os consumidores que pagam as contas em dia para que os bancos e instituições financeiras ofereçam crédito mais barato a esses clientes, já que o risco de calote é menor. Com isso, é esperada também uma queda na inadimplência e um aumento do volume de crédito concedido no país.

Comentários